Mundo

Trump: ‘UE é possivelmente tão ruim quanto China’ para comércio

Trump: ‘UE é possivelmente tão ruim quanto China’ para comércio

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, responde perguntas da imprensa a bordo do Air Force One em 29 de junho de 2018 - AFP

O presidente americano, Donald Trump, comparou as práticas comerciais da União Europeia com as da China durante uma entrevista exibida neste domingo (1).

“A União Europeia é possivelmente tão ruim quanto a China, só que é menor”, disse Trump no programa “Sunday Morning Futures” da emissora Fox News.

Os europeus “tiveram um superávit comercial de 151 bilhões de dólares no ano passado. Porque nós temos um déficit com a União Europeia e, além disso, estamos gastando uma fortuna na Otan para protegê-los”, prosseguiu.

“O que nos fizeram é terrível”, disse o magnata.

“Todos gostamos, de alguma forma, da União Europeia. Estive lá há muitos, muitos anos no sentido de que meus pais nasceram na União Europeia”, afirmou, agregando que acha que esse países “nos tratam muito mal, nos tratam muito injustamente”.

Trump justificou sua decisão de impor tarifas às importações de aço e alumínio a todos os parceiros comerciais dos Estados Unidos: “Se não temos para todos, então o que acontece é que eles (países produtores) passam pelos países que não têm e você perde muito tempo”.

Consultado se seria mais conveniente fazer frente à China junto aos aliados, respondeu negativamente.

Os europeus “não querem nossos produtos agrícolas. Honestamente, têm seus agricultores e querem protegê-los. Mas nós não protegemos os nossos”, disse.

Também se referiu ao mercado automotivo: “Eles mandam um Mercedes, nós não podemos mandar nossos carros”.

Ao tratar de outro tema polêmico com a Europa, Trump reiterou que as empresas europeias que fazem negócios com o Irã serão punidas: “Sim, claro, é o que faremos”, ele respondeu sobre as intenções de Washington.

Depois de anunciar em 8 de maio que os Estados Unidos estavam se retirando do acordo nuclear com o Irã de 2015, Trump começou a contagem regressiva para restabelecer as sanções de seu país contra a República Islâmica, que foram levantadas em virtude deste texto.