Economia

Trump lamenta não ter aumentado ainda mais tarifas sobre produtos chineses

Trump lamenta não ter aumentado ainda mais tarifas sobre produtos chineses

Presidente americano Donald Trump em Biarritz, França, em 25 de agosto de 2019 - AFP

o presidente americano Donald Trump não se arrepende da guerra comercial com a China e só “lamenta não ter aumentado mais as tarifas” sobre os produtos chineses, informou neste domingo uma porta-voz da Casa Branca.

“Foi perguntado ao presidente se ele ‘queria mudar de opinião sobre a guerra comercial com a China’, e sua resposta foi mal interpretada”, declarou Stéphanie Grisham.

“O presidente Trump respondeu afirmativamente, (mas) porque lamenta não ter aumentado ainda mais as taxas”, explicou.

Pouco antes, Trump deu a intender que flexibilizava sua posição nesta questão. “Sempre penso duas vezes, sobre todos os temas”, havia dito.

Ainda neste domingo, Trump declarou que sua guerra comercial com a China não causa tensão na cúpula do G7, apesar das preocupações expressas por vários outros líderes.

O presidente dos Estados Unidos também afirmou em Biarritz (sudoeste da França) que não pretende tomar outras medidas contra Pequim neste momento.

“Eu acho que eles respeitam a guerra comercial. Ela deveria acontecer”, disse Trump a repórteres antes de uma reunião com outros líderes do G7, incluindo Emmanuel Macron, Angela Merkel e Shinzo Abe.

Questionado sobre possíveis críticas de seus colegas sobre o assunto, ele insistiu: “não, de forma alguma. Eu não ouvi isso”.

Muitos líderes expressaram preocupações sobre o impacto negativo deste conflito comercial sobre a economia global e os mercados. Como o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que declarou claramente a Donald Trump que é “a favor de uma paz comercial” e que “não gosta de impostos alfandegários”.

Os mercados financeiros caíram após o anúncio de taxas adicionais americanas sobre um total de 550 bilhões de dólares em importações chinesas, em resposta a um novo aumento das tarifas chinesas.

O presidente americano admitiu ter algumas dúvidas sobre a conveniência de intensificar sua guerra comercial. Ele apontou que se absteria, no momento, de declarar um estado de emergência nacional que permitiria, segundo ele, ordenar que as empresas americanas deixem a China.

“Eu tenho o direito, se eu quiser. Posso declarar estado de emergência nacional. Mas não tenho essa intenção por enquanto”, disse ele.

Em contrapartida, o republicano garantiu que está “muito perto” de concluir um “grande” acordo comercial com o Japão. Washington e Tóquio “trabalham nesse acordo há cinco meses”, disse, antes de se reunir com Boris Johnson.

Na sexta-feira, Donald Trump ameaçou Pequim com medidas drásticas, tuitando que “as empresas americanas têm ordens para começar imediatamente a procurar uma alternativa à China”.

Apesar de seus comentários mais sutis neste domingo, Trump defendeu sua estratégia em relação à China, a quem ele acusa de “roubo de propriedade intelectual da ordem de 300 a 500 bilhões de dólares por ano”.

“Estamos perdendo um total de cerca de US$ 1 trilhão por ano. E, sob muitos aspectos, é uma emergência”, disse ele.

Como vem dizendo há meses, o presidente americano reafirmou que a China acabará cedendo às demandas e mudando sua relação comercial com os Estados Unidos. “Estamos em discussões, eles querem um acordo tanto quanto nós”, assegurou.