Giro

Trump critica Facebook e Twitter por censurar artigo contra Biden

Crédito: - DEMOCRATIC NATIONAL CONVENTION/AFP/Arquivos

O filho de Joe Biden, Hunter, se vê envolvido em polêmicas por sua participação no conselho de uma empresa de energia Ucraniana (Crédito: - DEMOCRATIC NATIONAL CONVENTION/AFP/Arquivos)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou duramente o Facebook e o Twitter por bloquear nas redes sociais links para um artigo do New York Post que expõe supostas negociações corruptas de seu adversário nas eleições de novembro, Joe Biden, e seu filho na Ucrânia.

O jornal afirma ter obtido um computador abandonado por Hunter Biden com provas do envolvimento do pai em negócios suspeitos na Ucrânia.

Em canais diferentes, Trump e Biden enfrentam eleitores na TV

Desigualdade de gênero se manifesta na tecnologia na América Latina

Joe Biden, ex-vice-presidente americano e candidato democrata à Casa Branca nas eleições de 3 de novembro, negou repetidamente qualquer envolvimento.

“Um e-mail incriminatório revela como Hunter Biden apresentou um empresário ucraniano ao pai vice-presidente”, diz a manchete do artigo.

Como a campanha de Biden negou qualquer envolvimento do candidato democrata com o empresário ucraniano suspeito, o Facebook e o Twitter impuseram restrições aos links para o artigo, dizendo que havia dúvidas sobre sua veracidade.

“Isso faz parte do nosso processo padrão para reduzir a disseminação de informações falsas”, justificou Andy Stone, porta-voz do Facebook.

O Twitter explicou que estava limitando a divulgação do artigo devido a dúvidas sobre “as origens do material” incluído na matéria.

As ações do Facebook e do Twitter provocaram indignação entre os republicanos contra o que chamaram de censura partidária.

Trump, que está atrás de Biden nas pesquisas a 20 dias da eleição presidencial, atacou os dois gigantes das redes sociais.

“É terrível que o Facebook e o Twitter retiraram o artigo dos e-mails incriminatórios relacionados ao ‘Sonolento’ Joe Biden e seu filho, Hunter, no @NYPost”, postou Trump no Twitter.

“É só o começo para eles. Não tem nada pior do que um político corrupto”.

– Computador abandonado –

O New York Post afirmou que o computador foi deixado por Hunter Biden em uma loja de conserto de computadores no estado de Delaware em abril de 2019.

O dono da loja, que não foi identificado, declarou ao jornal que, após a máquina ter sido dada como esquecida, uma cópia do disco rígido foi feita e o computador foi entregue a autoridades federais.

O dono da loja entregou um cópia do disco rígido a Rudy Giuliani, ex-prefeito de Nova York e advogado pessoal de Donald Trump, que o entregou ao jornal.

Embora a campanha de Biden não tenha negado a existência do computador ou a veracidade dos e-mails, Giuliani tem um histórico de espalhar desinformação sobre os Biden e a Ucrânia.

Em setembro, o Tesouro dos Estados Unidos disse que uma “fonte” com quem Giuliani se reuniu várias vezes, o político ucraniano Andrii Derkach, “é um agente russo em atividade há mais de uma década”.

O Post criticou o Facebook e o Twitter por ajudar a campanha eleitoral de Biden, dizendo que ninguém contestou a veracidade da história.

“O Facebook e o Twitter não são plataformas de mídia, são máquinas de propaganda”, escreveu em um editorial.

O senador republicano Josh Hawley, em uma carta ao criador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que a censura “aparentemente seletiva” “sugere parcialidade” por parte da rede social.

O artigo do Post é “claramente relevante para o interesse público” e revela “atividade potencialmente antiética de um candidato à presidência”, continuou.

– Negócios na Ucrânia –

“A censura do Twitter contra este artigo é bastante hipócrita, dada a sua disposição de permitir que os usuários compartilhem reportagens de fontes menos críticas de outros candidatos”, lamentou o senador republicano Ted Cruz em uma carta ao CEO do Twitter, Jack Dorsey.

O caso reascendeu as polêmicas dos últimos dois anos envolvendo Joe Biden, que, quando era responsável pela política do governo Obama na Ucrânia, adotou medidas para ajudar seu filho e a empresa de energia ucraniana Burisma, da qual Hunter Biden era membro do conselho.

Biden rejeitou repetidamente tais alegações. “Nunca falei com meu filho sobre seus negócios no exterior”, disse categoricamente o ex-vice-presidente em setembro de 2019.

A polêmica se baseia em um e-mail de abril de 2015, no qual Vadym Pozharskyi, um conselheiro da Burisma, agradece a Hunter por convidá-lo para uma reunião em Washington com seu pai.

Mas não houve indicação de quando a reunião foi agendada ou se aconteceu.

“Revisamos as programações oficiais de Joe Biden da época e nenhuma reunião, como alegado pelo New York Post, jamais ocorreu”, disse a campanha de Biden.

A campanha de Trump, que corre contra o tempo para reverter o cenário pessimista apresentado pelas pesquisas antes das eleições presidenciais de 3 de novembro, rapidamente divulgou um comunicado de campanha dizendo que os e-mails eram a prova de que Biden “mentiu para o povo americano” sobre os negócios de seu filho.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?