Agronegócio

Trigo fecha sem direção comum em Chicago após pico de 8 anos e meio com temor por oferta

Trigo fecha sem direção comum em Chicago após pico de 8 anos e meio com temor por oferta

Lavoura de trigo afetada pela seca em Bowdon, Dakota do Norte (EUA)

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros do trigo negociados em Chicago deram uma pausa nesta segunda-feira, após atingirem uma máxima de 8 anos e meio na semana passada, diante de preocupações com aperto de oferta em países exportadores que foram atingidos por clima adverso.



A consultoria agrícola russa Sovecon reduziu sua previsão para a safra da Rússia em 0,3%, em relação à semana passada, na última revisão estimada para o maior exportador de trigo do mundo.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) reduziu na quinta-feira suas previsões para safras na Rússia, Canadá e Estados Unidos, iniciando uma alta nos preços.

A queda na produção da Rússia e os preços mais altos atingiram tradings internacionais que venderam trigo e outras safras para moinhos asiáticos devido às expectativas de grandes ofertas globais, afirmaram três traders de Cingapura à Reuters.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


“Há preocupação em várias regiões importantes com relação ao tamanho e à qualidade da safra de trigo, com o fornecimento mundial de trigo mais apertado do que o esperado agora sendo geralmente aceito”, disse Matt Ammermann, gerente de risco de commodity da StoneX.

Os futuros do trigo para setembro fecharam nesta segunda-feira em queda de 1,75 centavo de dólar, em 7,6050 dólares por bushel, após avançarem na sexta-feira para 7,7475 dólares, a máxima em um gráfico contínuo do contrato mais ativo do trigo desde fevereiro de 2013. O trigo para dezembro e a maioria dos contratos diferidos fecharam em alta nesta segunda-feira.


A soja fechou em alta de 3,25 centavos de dólar, em 13,6825 dólares o bushel, enquanto o milho recuou 4,25 centavos de dólar, para fechar em 5,6875 dólares o bushel.

(Por Tom Polansek em Chicago e Michael Hogan em Hamburgo; reportagem adicional de Naveen Thukral em Cingapura)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7F16Q-BASEIMAGE