Tribunal virtual

DIN1017-sustenta7

O americano Eric L. Loomis, de longa ficha criminal, foi condenado a seis anos de prisão, em março, após tentar fugir da polícia com seu carro, no estado de Wisconsin. Agora, ele tenta rever a decisão baseando-se num fato inédito: sua sentença teria sido definida por meio de um software.

A questão é que a corte do Estado solicitou à Justiça Federal informações sobre o passado de Loomis, para tentar definir a probabilidade de ele cometer novos crimes. A resposta veio na forma de um relatório detalhado, produzido por um sistema chamado Compas, vendido pela empresa Northpointe.

Com base em um algoritmo, o documento apontava elevada chance de reincidência. O réu alega, por sua vez, que não teve acesso a informações sobre como funciona o sistema, o que teria prejudicado sua chance de defesa. A pergunta é se chegará um dia em que a tecnologia substituirá até os juízes.

(Nota publicada na Edição 1017 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.