Negócios

Tribunal condena atacadista a pagar multa de R$ 1 mi por vender produtos vencidos

Crédito: Divulgação / Atacadão S/A

A rede de supermercados Atacadão S/A foi condenada a pagar R$ 1.086.148.79 de multa aplicada pelo Procon (Crédito: Divulgação / Atacadão S/A)

A rede de supermercados Atacadão S/A foi condenada a pagar R$ 1.086.148.79 de multa aplicada pelo Procon por exposição para venda de produtos vencidos; com data de validade borrada ou ausente; e atribuição de preços distintos para o mesmo item. A determinação é da 6ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo que manteve a decisão da 3ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central – Capital.

No processo, a empresa alegou “que o auto de infração é nulo pela ausência de assinatura da autuada, bem como que a decisão que julgou subsistente o auto de infração careceu de motivação”. A conduta da varejista configura prática abusiva, como classificados nos artigos 18, § 6º, I, e 31,caput, do Código de Defesa do Consumidor (CDC).



Em inspeção realizada em 26 de março de 2020, um agente de fiscalização do Procon constatou que a rede “expôs à venda ao público consumidor, em gôndolas 15 caixinhas de néctar de laranja com prazo de validade inelegível, impossibilitando a identificação pelo consumidor; 1,024 kg de filé de frango, sem o prazo de validade do produto; 16,318 kg de bacalhau do Porto fracionado em 7 pacotes sem a identificação da data limite para consumo; uma caixa de bebida de fruta adoçada vencido desde 18 de março de 2020.

Brasil caminha para ‘boa’ safra de algodão e maior exportação, apesar da seca

Além disso, o profissional do órgão de fiscalização encontrou uma peça de bacon especial Paleta, com duas etiquetas de preço afixada no próprio produto, sendo uma no valor de R$ 7,40 e outra por R$ 7,45.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


O Atacadão defendeu-se no processo reforçando que, na época da autuação, período que sucedeu à edição de decretos de calamidade pública no país por conta da covid-19, “precisou se adequar imediatamente a todos os protocolos de segurança e combate à doença e teve de afastar dezenas de funcionários, alterando radicalmente sua rotina de trabalho”.

Relator da apelação, o desembargador Alves Braga Junior considerou em seu voto que, mesmo tendo adotado as providências de retirada e descarte dos produtos após a identificação das falhas, não se deve afastar a ilicitude da conduta. “Não se verifica qualquer ilegalidade no auto de infração, tendo em vista que foi constatada pelo Procon, em regular procedimento administrativo, com observância do contraditório e ampla defesa, a prática, pela apelante, de infração à legislação consumerista, sujeita à multa, aplicada de forma motivada e proporcional”.


“Compete ao Procon a fiscalização de condutas contrárias à legislação de consumo e lhe incumbe a imposição de sanções, em caso de violação aos direitos dos consumidores, hipótese dos autos. Nesse sentido, a sentença deve prevalecer”, encerrou.

Assim, manteve a administrativa no importe R$ 1.086.148,79. “O valor de deve guardar correspondência com o porte econômico da empresa, razão pela qual o CDC determina que seja considerada a condição econômica do fornecedor e não os valores envolvidos nas reclamações ou nas ofensas causadas aos consumidores, tampouco deve ser condicionado à quantidade de produtos irregulares apreendidos”.

O Procon, inicialmente, estimou a receita média da autora em R$ 20.000.000,00 e a empresa não apresentou impugnação a essa estimativa no prazo cabível. Participaram do julgamento os desembargadores Evaristo dos Santos e Silvia Meirelles. A votação foi unânime.

COM A PALAVRA, O ATACADÃO S/A

A reportagem do Estadão entrou em contato com a equipe do Atacadão S/A, mas a mesma não enviou um comunicado até o fechamento da nota. O espaço segue aberto para atualização. E-mail: junior.bordalo@estadao.com



Tópicos

3ª Vara da Fazenda Pública 6ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo agente de fiscalização agente de fiscalização do Procon assinatura da autuada Atacadão S/A atacadista ausência de assinatura da autuada auto de infração autuação autuada bacalhau do Porto bacon bacon especial Paleta bebida de fruta bebida de fruta adoçada caixa de bebida de fruta adoçada calamidade pública Código de Defesa do Consumidor combate à doença consumidores Covid-19 data de validade data de validade borrada data limite para consumo decisão da 3ª Vara da Fazenda Pública decretos decretos de calamidade pública descarte dos produtos desembargador Alves Braga Junior desembargadores Evaristo dos Santos e Silvia Meirelles direitos dos consumidores equipe do Atacadão S/A etiquetas de preço filé de frango fiscalização de condutas contrárias à legislação de consumo fornecedor Foro Central - Capital funcionários gôndolas ilegalidade no auto de infração impugnação inelegível infração à legislação consumerista inspeção julgamento legislação consumerista legislação de consumo multa multa aplicada pelo Procon néctar de laranja órgão de fiscalização pacotes prática abusiva prazo de validade prazo de validade do produto prazo de validade inelegível procedimento administrativo Procon produtos irregulares apreendidos produtos vencidos protocolos de segurança receita média rede de supermercados rede de supermercados Atacadão S/A rotina de trabalho sanções sem o prazo de validade Tribunal varejista venda ao público consumidor venda de produtos vencidos vender produtos vencidos violação aos direitos dos consumidores