Sustentabilidade

Transição econômica muito lenta para enfrentar a mudança climática

Transição econômica muito lenta para enfrentar a mudança climática

Ambientalistas protestam contra o uso de energias fósseis em 4 de outubro de 2021 em refinaria de petróleo no porto de Rotterdam, na Holanda - AFP

Desde a assinatura dos acordos de Paris em 2015, a transição para energias mais limpas progrediu, mas de uma forma muito lenta para limitar o aquecimento a 2 °C e, se possível, a 1,5 °C, em comparação com o final do século XIX. E nada aponta que a crise da covid-19 tenha acelerado o movimento.

Progressos

– BOOM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

As energias renováveis são agora a segunda fonte de eletricidade do mundo, com 26% do total em 2019, atrás do carvão, mas à frente do gás e do setor nuclear.



Os setores eólico e solar viram seus preços caírem e cresceram desde 1990 a taxas médias de 22% e 36%. Mesmo em 2020, ano da covid-19, somaram 260 gigawatts (GW) de capacidade, metade deles na China, que superou o recorde anual anterior de 30%, segundo a Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA).

Mas isso não é suficiente. A porcentagem dos combustíveis fósseis no consumo final da energia (eletricidade, combustíveis, gás e carvão usados diretamente nas fábricas…) é igualmente alta como dez anos atrás: carvão, petróleo e gás representavam 80,2% em 2019 (80,3% em 2009).

– MUDANÇA NO SETOR AUTOMOBILÍSTICO

Pressionados pelas normas e o declínio do diesel, os fabricantes se encontram na etapa pós-motor térmico.

Volvo, Jaguar e Lancia serão em breve 100% elétricos e Stellantis (Peugeot, Fiat…) não desenvolve mais seus motores de combustível.

Mas os veículos elétricos representam menos de 5% das vendas de carros novos (7,5% na Europa). A estrela continua sendo o SUV (veículo utilitário esportivo): 42% do mercado em 2020, um recorde que aumentou a emissão de CO2 em relação ao ano anterior, quando os outros setores viram sua redução, afirmou a Agência Internacional de Energia (AIE).

– AMBIÇÕES NO HIDROGÊNIO

China, Japão, UE, Austrália… dezenas de países e várias empresas se lançaram na descarbonização do hidrogênio, ou seja, sua produção sem recorrer a hidrocarbonetos, o que torna a indústria e o transporte pesado verdadeiramente mais verdes.

No entanto, a demanda e a queda dos preços devem ser mais sustentados, afirma a AIE, e os investimentos precisam quadruplicar até 2030.

– O PREÇO DO CARBONO

Em meados de 2021, 47 jurisdições (países, províncias ou grupos de países/províncias), que correspondem a 60% do PIB mundial, possuíam um preço para o carbono (taxa ou quota de mercado), segundo o instituto de economia para o clima I4CE.

Esse preço, entretanto, oscila entre 1 e 123 dólares por tonelada de CO2 e é menor que 10 dólares para mais de 75% das emissões cobertas. Os preços deveriam ser de entre 40 e 80 dólares para evitar suficientemente o uso de fósseis.

– ABUNDÂNCIA DE COMPROMISSOS

As empresas multiplicam as promessas e, como os Estados, se comprometem à neutralidade do carbono para 2050. Seu impacto, porém, é difícil de avaliar.

Preocupações

– REATIVAÇÃO MODERADA

Para a rede de especialistas Ren21, “2020 poderia ter mudado a situação”, mas os planos de reativação dos Estados concedem às energias fósseis seis vezes mais investimentos que as renováveis.

As emissões de CO2, após uma queda de 7%, devem alcançar um nível recorde até 2023 caso os investimentos não sejam redirecionados.

– EMERGENTES EM APUROS

O investimento em energias verdes desacelera há alguns anos nos países emergentes e em desenvolvimento (exceto a China) e a covid-19 não ajudou.

Esses países exibem apenas 20% dos investimentos necessários para sua descarbonização, segundo a AIE: “Abrigam dois terços da população mundial, geram 90% do crescimento das emissões, mas recebem 20% dos financiamentos consagrados às energias limpas”.

– CARVÃO, O REI INTOCÁVEL

Com a reativação, a demanda do carvão – o primeiro vetor do aquecimento climático – voltaria ao seu nível de 2019, devido às necessidades de energia elétrica da Ásia.

Hoje, 82% dos projetos de usinas estão concentrados na China (55%), Índia, Vietnã, Indonésia, Turquia e Bangladesh.

No entanto, desde 2015 o número de projetos caiu 76%, segundo o ‘think tank’ E3G e 44 países prometeram não abrir mais fábricas deste tipo. A China, o primeiro patrocinador público, anunciou em setembro que não vai construir mais usinas de carvão em outros países.

“É hora de o setor privado – que financia 87% do carvão no exterior – se juntar a nós”, afirma Kevin Gallagher, da Boston University.

– REDUÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS

As florestas tropicais primárias perderam em 2020 uma superfície equivalente à Holanda, segundo a Global Forest Watch. Os responsáveis são a agricultura, a indústria madeireira, a atividade de mineração e os incêndios.

Na Amazônia brasileira, o desmatamento em 2020 transformou esse fundamental receptor de carbono em emissor líquido de CO2.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km