Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Tornozeleira com boleto

Tornozeleira com boleto

Depois que a operação Lava Jato revelou os esquemas de corrupção em todas as esferas de poder e passou a condenar corruptos e corruptores a prisões domiciliares, o uso da tornozeleira eletrônica se popularizou. Diante do custo anual com a traquitana, de R$ 23 milhões por ano, o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) deciciu criar um projeto de lei que obriga o usuário da tornozeleira a pagar por ela e por sua manutenção. O projeto já passou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e agora precisa ser aprovado na Câmara. Bauer falou com a coluna:

Como surgiu a ideia de criar esse projeto de fazer com que o preso pague pela tornozeleira eletrônica que usa?
A ideia surgiu porque, obviamente, as tornozeleiras ficaram famosas. Com a operação Lava Jato, elas foram se tornando muito conhecidas. E a maioria das decisões judiciais, com prisão domiciliar total ou parcial, é aplicada para pessoas que têm posse, por praticarem crimes de corrupção, financeiros e usos de poder. A despesa para a União e para os Estados com as tornozeleiras eletrônicas alcança R$ 23 milhões por ano.

De onde vem essa conta?
Cada equipamento custa R$ 400 e a operação desse equipamento custa mais R$ 300 por mês. Você tem que deixar um chip conectado com a rede de comunicações 24 horas por dia, uma sala de monitoramento com equipamentos de gravação permanente e com operadores. Isso gera custo. R$ 23 milhões por ano é muito dinheiro e, considerando que tem muita gente aguardando decisão judicial dessas operações que não param, é provável que esse número cresça ainda mais.

E quem não puder pagar pela tornozeleira?
A senadora Simone Tebet (PMDB-MS), relatora do projeto, enriqueceu o texto estabelecendo que o juiz, quando entender que o condenado não tem condições de pagar, pode dispensá-lo de pagar. Segundo, o camarada que usar e deixar de pagar poderá ter uma advertência e poderá ser punido e ter o regime da pena alterado. Em último caso poderá ser levado ao estabelecimento penal com restrição total de liberdade.

O sr. acredita que o projeto vai passar na Câmara?
Se eu considerar a repercussão que esse projeto teve em todo o Brasil, acredito que, quando chegar a Câmara, vai ter deputado querendo relatar e discutir a matéria. Ela tem um apelo bastante positivo. Enfim, ela penaliza o crime.

Diante de tantos escândalos envolvendo políticos, o sr. acha também que vai ter deputado fugindo disso?
Não sei… Aí eu não acho nada.

Quando deve ser votado na Câmara?
Tenho a impressão que pode ser votado ainda nesse ano.

(Nota publicada na Edição 1036 da Revista Dinheiro)


Mais posts

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Luiza Helena Trajano, presidente do conselho de administração da rede Magazine Luiza, é uma das vozes mais ativas do empresariado [...]

O novo passo da Bibi

Presente em mais de 70 países, via distribuidores e redes multimarcas, a Calçados Bibi está dando mais um passo em sua [...]

Próxima parada: Rio de Janeiro

Há dois meses no mercado, a Veloe, empresa criada pela Alelo, do Banco do Brasil e do Bradesco, voltada para o mercado de pedágios e [...]

Minha rede, minha vida

O empresário Flávio Augusto da Silva, fundador da rede de idiomas Wise Up, dono do time de futebol Orlando City e da plataforma [...]

Fome de crescimento

Os investimentos de Carlos Wizard Martins no setor de alimentação vão ganhar um novo impulso. Tocada por seu filho Lincoln Martins, a [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.