TV DINHEIRO

“Todas as marcas de luxo do mundo perdem mercado para a violência”, diz Freddy Rabbat, CEO da Tag Heuer e da Swatch no Brasil

Carlos Sambrana, redator-chefe da ISTOÉ DINHEIRO, entrevista Freddy Rabbat, CEO da Tag Heuer e da Swatch no Brasil. O empresário, que trouxe a grife alemã Montblanc ao Brasil e depois vendeu a operação para a matriz, não para de agregar novas marcas.

Desde que voltou a atuar no mercado, após um período de três anos de não competição, ele assumiu a representação das suíças Tag Heuer, Bomberg, Alpina e Frederique Constant – todas notórias fabricantes de relógios. Neste terceiro bloco, ele fala sobre as peculiaridades do mercado relojoeiro no Brasil, desafios e efeitos da violência no mercado de luxo.

O quarto bloco da entrevista será publicado nesta quinta-feira (26).

BLOCO 3 – O empresário diz que o Brasil é um mercado singular e complicado, pois tem impostos altíssimos e logística complexa. Além disso, por medo da violência, muita gente compra relógios super caros e deixa em casa ou usa apenas em ocasiões especiais. “Todas as marcas de luxo do mundo perdem mercado para a violência”, diz.

 

BLOCO 2 – Freddy fala sobre a estratégia de expansão das operações das várias marcas de relógio que representa no Brasil, com destaque para a marca de luxo Tag Heuer, e ainda, explica por que está apostando alto no bom desempenho da Swatch no País. “A Swatch é a Havaianas dos relógios”, diz.

 

BLOCO 1 – Rabbat conta detalhes da sua trajetória profissional, comenta os desafios de trazer tantas grifes internacionais para o Brasil , e da nova representação que fará no País. “Estou começando a operar a marca Swatch no Brasil”, afirma.