Títulos verdes batem casa de US$ 1 tri

Títulos verdes batem casa de US$ 1 tri

O que Klabin, BTG Pactual e FS Bioenergia têm em comum? Todos iniciaram o ano recorrendo aos Títulos Verdes para financiar projetos ligados aos critérios ESG (ambiental, social ou de governança). Ao realizarem as operações, que juntas somaram mais de US$ 1 bi, as companhias engrossam um mercado que movimentou US$ 14 bilhões no Brasil em 80 captações públicas realizadas desde 2015 – quando a BRF estreou no mercado com emissão de 500 milhões de euros, de acordo com a Sitawi.

Nos últimos anos, as operações estão mais frequentes: em 2020 foram realizadas 48, o dobro em relação ao ano anterior. Ainda assim, embora o País seja um dos maiores mercados potenciais para a economia verde devido à sua matriz energética sustentável e sua megabiodiversidade, a movimentação ainda é irrisória diante dos mais de US$ 1 trilhão movimentados no mundo.

“O potencial para emissão de títulos verdes no Brasil é enorme. Quando falamos de agronegócio, por exemplo, somente para cumprir as metas assumidas na COP 21, a demanda de recursos é de R$ 160 bilhões até 2030, além da demanda por financiamento da produção de grãos e de bioenergia”, disse à DINHEIRO Cristiano Macedo, diretor Comercial da Ecoagro.

Entre as vantagens desse tipo de papel para o emissor está o acesso a novos investidores e ganhos reputacionais. Já para o investidor há maior transparência na utilização dos recursos, o que pode resultar em menores riscos associados ao investimento. No caso da Klabin, os US$ 500 milhões captados em sua primeira emissão de títulos sustentáveis serão para a redução do uso de água e da geração dos resíduos sólidos, além da reintrodução de duas espécies de animais em extinção no ecossistema até 2030.

No BTG Pactual, os US$ 500 milhões irão financiar projetos socioambientais como BTG Soma, programa de profissionalização de ONGs e Organizações Não Governamentais da Sociedade Civil (OSCs) – projeto que está com inscrições abertas. Já a FS Bioenergia levantou valor adicional de US$ 50 milhões, que se somam aos US$ 550 milhões em Títulos Verdes captados em 15 de dezembro de 2020, para refinanciar o capital de giro.

Evandro Rodrigues

(Nota publicada na edição 1207 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

O capital é verde

Uma lista com as 100 empresas administradas de modo mais sustentável no mundo acaba de ser divulgada pelo The Wall Street Journal. [...]

Papo responsável

Com apenas 22 anos, a brasileira Lana Weidgenant tem chamado atenção em Washington por sua luta pelo clima e por políticas mundiais [...]

O algodão agroecológico da Renner

Com vistas a cumprir a meta de ter 80% de sua produção classificada como baixo impacto ambiental, a Renner apresenta uma linha de [...]

O plano de Joe Biden para a Amazônia

No vácuo de uma postura assertiva do presidente Jair Bolsonaro pela preservação da Amazônia, um grupo suprapartidário de [...]

Belém sediará Fórum de Bioeconomia

Pela primeira vez o Fórum Mundial da Bioeconomia deixa seu país-sede, a Finlândia, para ser realizado no Brasil, na região amazônica. O evento, nos dias 18 a 20 de outubro, ocorrerá de forma on-line e presencial com uma agenda que distribuída em quatro grandes eixos. A bioeconomia: pessoas e políticas do planeta; Líderes globais e […]

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.