Giro

TikTok pretende educar os usuarios sobre os efeitos negativos das redes sociais

Crédito: Reprodução/Pexels

Medo de telemarketing é o principal motivo para brasileiros não compartilharem seus dados (Crédito: Reprodução/Pexels)

Questões associadas à saúde mental não devem ser negligenciadas, nem esquecidas. Nesse sentido, o TikTok anunciou que vai implementar uma nova estratégia, para ajudar os usuarios mais jovens a perceber os impactos negativos das redes sociais na saúde mental de cada um.

O guia da rede social pretende também encorajar o compartilhamento das histórias pessoais com o objetivo de ajudar quem possa estar travando batalhas semelhantes.

+ Regulador do TikTok na UE abre investigações sobre privacidade de dados

De nome “Guia do Bem-Estar”, a funcionalidade poderá ser utilizada no Centro de Segurança e dará cobertura a vários tópicos de relevo. Estando todos ele relacionados com a temática da saúde mental, destacam-se temas como os distúrbios alimentares, ansiedade e depressão. Através deste guia os usuarios podem se redirecionar para a visualização de busca que apresentarão resultados sobre os conteúdos.



Além de abordar os vários temas, o “Guia do Bem-Estar” do TikTok também encorajará os usuarios a considerarem o impacto que compartilhar de histórias pessoais poderá ter nas batalhas que outros usuarios podem estar travando. Afinal, por ter um algoritmo tão específico, a rede social pode potencializar esses relatos e fazê-los chegar a muita gente.

O novo “Guia de Bem-Estar” é desenvolvido em parceria com Crisis Text Line, International Association for Suicide Prevention, Samaritans of Singapore, Live For Tomorrow, e Samaritans UK.

Antes desta nova estratégia, o TikTok direcionava os usuarios para linhas de ajuda aquando do surgimento de palavras ou frases consideradas um gatilho. No entanto, agora, a plataforma compartilhará conteúdos com todos os usuarios para que a comunidade possa se ajudar.

Estas alterações levadas a cabo pelo TikTok surgem na sequência de um estudo feito em 2019 que mostrou que três horas passadas numa rede social já podem surtir efeitos negativos na saúde mental de uma pessoa, principalmente dos usuarios jovens. Afinal, assim como acontece com o TikTok, 40% dos usuarios do Instagram têm idade inferior a 22 anos – só nos EUA, 22 milhões de adolescentes entram todos os dias na rede social.

Não sendo o debate sobre a saúde mental uma questão nova, com as redes sociais este ecoa muito mais. Portanto, é importante que as plataformas trabalhem no sentido de fazer os usuarios pensar duas vezes antes de compartilhar alguma coisa, assim como é importante apresentar meios para apoiar os mais vulneráveis aos conteúdos que por lá circulam.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km