Internacional

Tic tac entre Irã e Israel

Aumento da tensão entre os dois países espalha o temor de uma guerra nos próximos meses e coloca em risco a recuperação da economia global.

Crédito: Fotomontagem

Não bastassem os efeitos nefastos da pandemia sobre a economia global, a mais recente agenda de tensão entre Israel e Irã tem levado temor aos cinco continentes. Nos últimos dias, uma série de ataques mútuos – junto de um ligeiro aumento da demanda internacional – fez com que a cotação do petróleo subisse de US$ 51,80 (cotação em janeiro), para os atuais US$ 66. Só em abril, a cotação avançou mais de 8%. Parte disso se explica pelo ciberataque atribuído a Israel ao complexo nuclear iraniano de Natanz, onde novas centrífugas de enriquecimento de urânio foram reativadas. E o clima vai piorar.

No sábado (24), Israel também bombardeou um petroleiro iraniano no litoral da Síria, na primeira ofensiva do tipo desde que a guerra na Síria começou, há dez anos. “O clima entre os dois países vai piorar nos próximos meses sem uma mediação externa, especialmente dos Estados Unidos”, disse o professor e cientista político pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Jairo Botelho. “A situação é uma bomba-relógio.”

O MUNDO CONTRA MIM O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu acusou organizações mundiais de manterem uma agenda contra seu país. (Crédito:DEBBIE HILL /AFP )

Por diversas ocasiões nos últimos anos, Israel e Irã estiveram à beira de um conflito direto no Oriente Médio, especialmente no Líbano, na Síria e na Faixa de Gaza. A situação piorou depois que os Estados Unidos assassinaram o general iraniano Qassem Soleimani em um ataque aéreo no Iraque. O presidente americano Joe Biden sinalizou que não deve reduzir a pressão para que o Irã deixe de criar condições para a fabricação de ogivas nucleares.

PRESSÃO Os ânimos se acirram também porque Israel sente um aumento da pressão internacional contra a forma como lida com a questão palestina. Na semana passada, a entidade Human Rights Watch (HRW) denunciou o país por suposto crime de apartheid e de perseguição a palestinos. Israel, no entanto, contra-atacou acusando a organização de agenda anti-Israel. Segundo cientista político e diretor executivo da StandWithUs Brasil, André Lajst, a denúncia foi enviesada, o que seria costume da organização no Oriente Médio. A julgar pelos recentes acontecimentos envolvendo Irã, Israel e seus vizinhos no Oriente Médio, os milenares conflitos na região estão longe de uma solução definitiva. Tic, tac…