Edição nº 1137 09.09 Ver ediçõs anteriores

Tesla, Tesla…

Tesla, Tesla…

Relatório do Conselho Nacional de Segurança de Trânsito dos EUA confirma que o motorista de um veículo Tesla Model 3 – Jeremy Banner – morreu, em março, na Flórida, após acionar o sistema Autopilot de condução autônoma. Ele deu start no sistema, 10 segundos antes de o carro bater num caminhão, a 109km/h. O relatório assinala que o sistema automático não detectou as mãos do condutor no volante nos últimos 8 segundos antes do choque. Na área do acidente, o limite de velocidade é de 88 km/h. Em comunicado oficial, a Tesla disse que motoristas já rodaram “1 milhão de km com Autopilot ativado” e que o sistema, ao ser utilizado de forma apropriada, por um condutor atento e preparado para retomar o controle a qualquer momento, é mais seguro. A morte de Banner é a quarta conhecida em veículos Tesla com o sistema autônomo ativado (três nos EUA e uma na China).

(Nota publicada na Edição 1122 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Mais uma barbeiragem de Musk: agora no espaço

Depois de arrumar encrencas com a poderosa Securities and Exchange Commission (SEC) – regulador financeiro americano – e ter seus [...]

Didi começa a testar táxi autônomo

Gigante do serviço de mobilidade, a Didi – no Brasil dona da 99 – começa a operar uma frota de carros autônomos em Xangai. Até o ano [...]

Samsung volta à carga com celular dobrável

Depois do fiasco que foi a tentativa de lançar, no primeiro semestre, seu smartphone dobrável – os primeiros jornalistas a testar o [...]

Zao, o app para criar deepfakes viraliza na China

Um aplicativo chinês que permite aos usuários trocar de rosto (a partir de uma ou poucas fotos) de maneira convincente com personagens de filmes rapidamente se tornou um dos mais baixados do país. Mas trouxe na esteira uma discussão sobre privacidade – em nome de estampar a própria imagem em vídeos de Leonardo DiCaprio e […]

Hackearam o Twitter do fundador do Twitter

Fundador e CEO do Twitter, Jack Dorsey teve sua conta no aplicativo hackeada. A descoberta ocorreu quando apareceram postagens ofensivas – referindo-se a prostitutas, judeus, negros – que deixaram atônitos os 4,2 milhões de seguidores do executivo. A empresa informou que a conta havia sido invadida e estava investigando o corrido. As postagens foram apagadas. […]

Ver mais