Tesla no S&P 500

Tesla no S&P 500

Como value investor, escrever sobre a Tesla é um verdadeiro contrassenso. Acredito que não há, negociando nas bolsas americanas, algo mais distante do conceito de Value Investing. Em geral, procuramos investir em empresas geradoras de lucro operacional, com histórico estável de pagamento de dividendos e que estejam negociadas em bolsa abaixo do seu valor intrínseco. Apesar de a companhia ter gerado lucro operacional nos últimos quatro trimestres, quando ajustados pela venda de créditos regulatórios os últimos dois teriam sido negativos. Sobre dividendos, nada a comentar. E sobre estar abaixo ou acima do valor intrínseco, o mercado parece ter a resposta: a ação saiu de U$ 200 dólares há um ano, para uma máxima de U$ 1.600 há poucos dias.

O mercado nem sempre está certo, mas não escutá-lo é um erro. Resolvi, então, revisitar o assunto.

Vamos começar pelo posicionamento competitivo e as tendências de mercado. Aqui as coisas são favoráveis à empresa, como já eram um ano atrás. A Tesla é first mover, ou seja, é a primeira empresa que, de maneira bem-sucedida, conseguiu colocar de pé uma linha de produção de classe mundial de veículos totalmente elétricos. Os carros são elegantes e bem projetados, e o modelo de entrada, o Model 3, custa cerca de US$ 35 mil, valor bem próximo da média de preço de carros novos vendidos nos Estados Unidos.

Quanto a tendências de mercado, a venda de carros elétricos tem subido ano após ano. Em 2019, foram vendidos 2,2 milhões de unidades, um crescimento de 400% em apenas quatro anos. O potencial desse segmento, no entanto, é muito maior: os carros elétricos representam apenas cerca de 2,4% do mercado global de veículos automotores.

Outro ponto importante: os investimentos em pesquisa e desenvolvimento necessários para a produção de um veículo elétrico passam, necessariamente, pela geração e conservação de energia. Esse fato em si gera outras linhas de negócios relacionadas a energia renovável e a baterias, que podem ser aplicados a uma série de outras indústrias. Quem entra no site da Tesla hoje vê, ao invés de modelos de veículos, a foto de uma casa com o telhado coberto por painéis solares. O título do banner diz: “Energia solar no seu telhado por apenas U$ 1,49/Watt”. Dá até a impressão de ter entrado no site errado.

O próximo ponto a ser analisado é o quanto o consumidor é fiel ao produto, ou seja, seu grau de customer captivity. Aqui entramos em terreno desconhecido: a olhos de agora, não se pode dizer o quão fiel o consumidor é à marca porque a competição ainda é muito baixa. Nos Estados Unidos, por exemplo, a Tesla vende mais de quatro vezes o número de carros do que todas as outras marcas juntas. Podendo escolher entre um GM, BMW ou Nissan elétricos, é uma incógnita saber se o consumidor continuaria fiel à Tesla.

Nessa linha, o próximo ponto a ser analisado são as barreiras à entrada, ou seja, qual a facilidade que outras marcas teriam para entrar nesse mercado. Por ser uma indústria que usa capital de maneira muito intensiva, a concorrência seria naturalmente limitada. Além dos fabricantes tradicionais de veículos, no entanto, empresas de tecnologia como Apple e Amazon (para as quais capital não falta) poderiam facilmente querer se arriscar nessa aventura. Seria grande a probabilidade de um fiel consumidor da Apple trocar seu Tesla por um “Apple Car”. A fidelidade do consumidor à Apple, na minha visão, é muito maior que a fidelidade do consumidor à Tesla.

Finalmente, para qualquer value investor, a administração da companhia é um fator extremamente relevante. Aí entramos na personalidade polêmica, caótica e genial de Elon Musk. Em geral, tenho medo de gente que não tem medo. Elon Musk parece ser o tipo de pessoa que não tem temores, o que o leva a tomar riscos tais como investir em uma empresa de veículos elétricos – ou até mesmo em viagens espaciais. O sujeito que não tem medo de nada corre riscos exagerados, muitas vezes com chances não superiores a 50% de darem certo. Quando acertam, ficam bilionários. Quando erram, explodem. Correr esse tipo de risco não funciona em Value Investing. De qualquer maneira, o fato é que, por enquanto, o balanço é favorável a Musk: a Tesla acabou de se qualificar para fazer parte do S&P 500, o índice mais representativo do mercado de ações americano.

Há pontos muito positivos no modelo de negócios da Tesla, mas há também muitos riscos. Na minha visão, poucas coisas mudaram nesse balanço de um ano para cá. A única coisa que sofreu uma grande alteração foi o valor de mercado da companhia. Para valer perto de US$ 300 bilhões, tudo, mas absolutamente tudo, precisa dar certo. E isso é muito improvável.

A análise mais sensata que escutei sobre a Tesla vem de Charlie Munger, o sócio de Warren Buffett na Berkshire Hathaway. “Tenho dois pensamentos sobre a Tesla: eu nunca compraria a ação, mas também nunca a venderia a descoberto”. E foi além: “Nunca subestime alguém que se superestima. Acho que Elon Musk é peculiar. Ele pode se superestimar, mas não vai estar errado o tempo todo”.

Eu não poderia ter dito melhor. Musk pode até acertar, mas eu continuo sem querer pagar para ver. Boa sorte para ele.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Norberto Zaiet é economista formado pela Universidade de São Paulo e com MBA pela Columbia Business School, em Nova York. Depois de passagens como executivo pelo banco alemão WestLB e pelo português Banco Espírito Santo de Investimento (BESI), Zaiet foi CEO do Banco Pine. Hoje vive em Nova York, onde é sócio-fundador da gestora de investimentos Picea Value Investors. Com foco no conceito de Value Investing, a Picea Value Investors nasceu em 2019 com alcance global e atuação principal no mercado de ações norte-americano. Mais informações em www.piceavalue.com


Mais posts

Bed Bath and Beyond: um caso clássico de Value Investing

Já escrevi sobre a Bed Bath and Beyond (BBBY) aqui no blog em dezembro do ano passado. À época, as ações da empresa (que atingiram o [...]

Value Investing ainda funciona?

A recente baixa performance ligada ao conceito de Value Investing, especialmente quando comparada às estratégias de crescimento, leva [...]

A eleição americana vai entrar no radar

Estamos a menos de 60 dias das eleições americanas e o mercado parece ainda não ter se interessado pelo assunto. Antes do surgimento da [...]

O flagelo do setor elétrico americano

O artigo de hoje chega uma semana atrasado. O motivo está longe de ser glamouroso: várias partes do estado de Nova York ficaram sem [...]

Amazon e os bancos: exuberância e apatia irracionais?

No mundo de hoje, a Amazon vale um trilhão e meio de dólares. Enquanto isso, a somatória do valor de mercado dos quatro maiores bancos [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.