Giro

Covid-19: farmacêuticas trabalham em comprimidos antivirais

Crédito: Reprodução/Unsplash

Depois das vacinas, as companhias farmacêuticas estão agora na corrida para desenvolver um tratamento que possa ser tomado em casa com um copo de água (Crédito: Reprodução/Unsplash)

As farmácias poderão ter em breve nas suas prateleiras fármacos com eficácia comprovada contra a COVID-19? Depois das vacinas, as companhias farmacêuticas estão agora na corrida para desenvolver um tratamento que possa ser tomado em casa com um copo de água quando os primeiros sintomas da infeção aparecerem.

O que é um antiviral?
Já existem antivirais para outros vírus, como o HIV, causador da Aids, e da gripe. No início da pandemia, os estudos concentraram-se no desenvolvimento das vacinas, o que explica em parte o atraso no desenvolvimento de antivirais contra o coronavírus.

+ Pesquisadores dizem ter descoberto potencial medicamento contra Covid

“Os antivirais costumam ser pequenas moléculas químicas, desenvolvidas para interferir neste maquinário”, diz Daria Hazuda, bioquímica que trabalha há anos nestes tratamentos.. “Eles introduzem uma mutação no vírus e quando isto ocorre várias vezes, estas mutações reduzem a capacidade do vírus de se replicar”, acrescenta.



Ao conter a doença, podem evitar os casos graves, as hospitalizações e as mortes.

Os projetos em curso
Atualmente há dois projetos relativamente avançados, aprovados em mais de mil pessoas. O primeiro é o do laboratório farmacêutico americano Merck, em associação com a empresa de biotecnologia Ridgeback Biotherapeutics. O produto chamado Molnupiravir.

Desenvolvido inicialmente para tratar a gripe, foi modificado para que possa ser tomado na forma de comprimido, que deve ser ingerido em duas doses diárias durante cinco dias.

O tratamento tem sido muito bem tolerado pelas poucas centenas de pessoas que já o receberam. Exames de várias dezenas delas mostraram que o vírus já não era detetável depois de cinco dias para todos os tratados com Molnupiravir, mas ainda era detetável em 26% do grupo placebo. Os resultados dos testes em outros 1.450 adultos são esperados para os próximos meses.

O segundo projeto é da empresa farmacêutica suíça Roche, em colaboração com a empresa americana Atea Pharmaceuticals. Denominado AT-527, o tratamento está sendo testado em 1.400 participantes na Europa e Japão, desta vez a partir dos 12 anos. “Esperamos solicitar a aprovação dos reguladores no final do ano e lançar o medicamento em 2022”, disse o diretor-geral da Atea, Jean-Pierre Sommadossi.

Um terceiro projeto, menos avançado, é desenvolvido pela Pfizer. Diferentemente dos demais, o tratamento, denominado PF-07321332, foi desenvolvido especificamente contra o SARS-CoV-2, vírus causador da COVID-19. Está sendo  testado em cerca de 60 adultos e os resultados são esperados no fim de junho.

Um desafio é ser ingerido rapidamente
Tanto a Merck como a Roche exigem que o medicamento seja tomado nos cinco dias seguintes ao aparecimento dos sintomas. Isto deve-se ao fato de o vírus se replicar mais durante a primeira semana. “Quanto mais cedo se tratar com um antiviral, melhor será o resultado”, diz Daria Hazuda, que dirige a pesquisa sobre o medicamento da Merck.

Esta informação explica o relativo fracasso do Remdesivir, o único antiviral contra a Covid-19 aprovado até agora. Produzido pelo laboratório americano Gilead Sciences, deve ser tomado por via venosa no hospital. Desta forma significa que os pacientes estarão com a doença em estágio muito avançado para obter algum benefício real.

Uma vez disponíveis, o principal desafio será diagnosticar os pacientes precocemente e prescrever este tipo de fármacos antivirais.

A prevenção
Mas estes antivirais também deveriam poder ser usados na prevenção: por exemplo, quando o membro de uma família se infeta, os demais podem tomar o tratamento para evitar desenvolver a doença.

Por último, especialistas confiam na capacidade dos antivirais para continuar a ser eficazes contra as atuais e possíveis novas variantes, assim como contra outros coronavírus que possam surgir no futuro.

Esta é uma vantagem significativa sobre outro tratamento existente, os anticorpos sintéticos. Além de serem restritivos porque são injetados por via intravenosa, os anticorpos são muito específicos para o vírus que combatem, e portanto é pouco provável que sejam eficazes contra futuros coronavírus.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Tópicos

2020 paism a vacina astrazeneca é segura? A vacinação está lenta? agendamento vacina vitoria animais coronavírus animais podem passar coronavírus apos a vacina do covid pode beber apos tomar a vacina pode beber cerveja AstraZeneca astrazeneca eficácia astrazeneca suspensão astrazeneca trombose aztrazeneca coágulos Fiocruz BioNTech Brasil possui neste momento vacina para aplicar em toda a população? calendario vacina covid curitiba capitais vacinação coágulo coágulos coágulos vacina pfizer colapso da saúde Com a chegada de mais vacinas como curar trombose nas pernas como faço para me vacinar? comorbidades para vacina covid coronavírus cura Covid variantes crise vacinação de onde é a vacina astrazeneca diretrizes e objetivos pnaism efeitos colaterais estatísticas da vacina contra coronavírus falta de doses falta vacina farmacêuticas feminização da saúde paism FNP Frente nacional de prefeitos imunizantes brasil Johnson & Johnson Johnson & Johnson coágulos suspensão Ministério da Saúde MODERNA moderna uso pediátrico mortes covid brasil mulheres mulheres vacina Mutações covid Brasil mutações SP o Brasil tem dose pra vacinar todo mundo o que é trombose o que é variante? Oxford pandemia pandemia quantos já morreram? pets hospedeiros pfiser dose de reforço pfiser terceira dose Pfizer pfsizer 3ª dose pnaism objetivos pode beber antes da vacina pode beber depois da vacina covid pode tomar cerveja depois da vacina do covid pode vacinar crianças? política nacional de atenção integral à saúde do homem pool de farmacêuticas por que faltam vacinas? posso beber depois de tomar vacina do covid quais empresas fazem vacina? quais os sintomas de trombose na perna quais vacinas estão no brasil qual a eficácia da vacina astrazeneca? qual é a melhor vacina? quando a vacina pfizer chega ao Brasil? Quando o cronograma será ampliado? quantas farmacêuticas produzem vacina? quantas vacinas o Brasil tem? quantas vacinas tem no brasil? quantas variantes tem no Brasil reacao vacina gripe reacoes da vacina coronavac relatos coágulos saiba como entrar na fila da vacinação saiba como se ibnscrever para se vacinar Sanofi saúde feminina ginecologia paism sintomas de trombose nas pernas site vacinação tomei vacina posso beber trombose uma pessoa poderá receber doses de fabricantes diferentes? vacina vacina covid vacina covid pode beber vacina doses mutações vacina já sp gov br vacina janssen vacina oxford efeitos colaterais vacina Pfizer vacina pfizer é melhor que as outras? vacina pfizer eficácia vacina pfizer estudo israelence vacina pfizer israel vacina pfizer quantas doses vacina refrigeração vacinação vacinação araraquara vacinação cuiaba vacinação curitiba vacinação fevereiro vacinação paralisada vacinação passo a passo vacinação salvador vacinação são paulo vacinas vacinas qual a melhor? Hospedeiros variante da índia variante da Tanzânia variante indiana