Economia

Terceirizado pode receber mesmo que funcionário público? STF julga hoje

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

O caso é de repercussão geral e STF pode definir se terceirizado tem o mesmo direito de remuneração que funcionário público (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

O Supremo Tribunal Federal (STF) pode julgar nesta quarta-feira (2) um recurso extraordinário discutindo os direitos trabalhistas entre terceirizados e celetistas em cargos públicos que exerçam a mesma função. O caso discute se vale a equiparação salarial entre os dois grupos de trabalhadores caso eles desempenhem as mesmas atividades nos órgãos do estado.

Neste julgamento, o Supremo analisa o pedido de uma funcionária terceirizada da Caixa Econômica Federal que desempenhava atividade semelhante a de quem era bancário concursado e a decisão será de repercussão geral, valendo para todos os casos parecidos no Brasil.

+ Julgamento no STF sobre vacinação obrigatória contra a covid-19 será no dia 11
+ Luiz Fux conduz no STF agenda de contraponto ao Planalto
+ STF reconhece alteração de data de concurso público em razão de crença religiosa

O Tribunal Superior do Trabalho (TST), instância anterior ao STF, já condenou a Caixa a pagar verbas trabalhistas à funcionária terceirizada por entender que o conjunto de fatos e provas dos autos indicam que a funcionária exercia tarefas ligadas à atividade-fim do banco estatal.



Em setembro, o Supremo iniciou  a análise do recurso em plenário virtual, mas como houve divergência entre as teses envolvendo o caso – com a maioria dos ministros indo contra a decisão do TST – e houve o reconhecimento de que é um assunto com repercussão geral, o processo foi suspenso e retorna para a pauta do pleno nesta semana.

Com exceção do relator do recurso, ministro Marco Aurélio, seguido por Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber (com ressalvas), todos os outros ministros entenderam que o caso fere a livre iniciativa e a livre concorrência, principalmente por estar em desacordo com uma decisão do próprio STF, que reconheceu a constitucionalidade da terceirização.

Além disso, uma parte dos ministros também entendeu que funcionários públicos passam por um processo de investidura após aprovação em concurso público, o que garante certos direitos atrelados ao cargo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel