Giro

Tensão aumenta no Canadá a dois dias das eleições

Tensão aumenta no Canadá a dois dias das eleições

O primeiro-ministro canadense e chefe do Partido Liberal, Justin Trudeau (E), e o líder conservador Andrew Scheer durante um debate eleitoral em Gatineau - POOL/AFP

Faltando dois dias para as eleições legislativas, o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, ameaçado pela ascensão de pequenos partidos, e seu adversário conservador Andrew Scheer terminam uma campanha tensa, multiplicando os apelos por um “voto útil” a fim de evitar um governo minoritário, antecipado por todas as pesquisas.

“É muito possível que no dia 22 (um dia após as eleições) possamos acordar com um governo (conservador) que tenha como prioridade eliminar o único plano verdadeiro que o Canadá teve para lutar contra a mudança climática e que será aplicado como um programa de cortes de crescimento e austeridade “, alertou Trudeau.

O primeiro-ministro acusou seus rivais conservadores na quinta-feira de realizar “uma das campanhas mais sujas” da história nacional, com desinformação e ameaças.

Dias atrás, Trudeau teve que ir a uma atividade de campanha com colete à prova de balas.

Andrew Scheer ficou na defensiva neste sábado, após notícias de que seu parido teria tentado atacar o partido político rival.

Scheer, que durante a campanha chamou Trudeau de “mentiroso” e o acusou de falta de transparência, se negou a confirmar ou desmentir a notícia publicada pelo jornal Globe and Mail e confirmada por outros veículos, de que o Partido Conservador teria feito uma campanha de comunicação nas redes sociais destinada a apresentar como “racistas” membros do Partido Popular de Canadá (PPC).

De acordo com as últimas pesquisas, tanto os liberais de Trudeau quanto os conservadores de Scheer têm 30% de intenções de voto.

O Novo Partido Democrata (NPD, de esquerda) vem em terceiro lugar e cresce nas pesquisas com 18%, graças às boas apresentações de seu líder, Jagmeet Singh, e visa a conquistar a ala esquerda dos liberais.

Nenhum dos dois principais partidos, que se alternam no poder desde 1867, estaria em condições de conseguir as 338 cadeiras necessárias para a maioria no Parlamento. O vencedor deve formar um governo de minoria.

“A alternativa nesta eleição é muito clara: uma coalizão Trudeau-NPD que trabalhará para aumentar a taxa de carbono… ou um governo majoritário conservador que eliminará a taxa de carbono”, afirmou Scheer na quinta-feira pedindo um “forte apoio” ao seu partido.

– Alianças –

O líder conservador afirmou que o governo deve coligar ao partido que conseguir mais cadeiras na segunda-feira.

“No nível constitucional, essa não é a regra. Você não vota em um primeiro-ministro, vota em um deputado”, explicou à AFP Hugo Cyr, cientista político da Universidade de Quebec, em Montreal.

Um dos principais campos de batalha está em Quebec, província de língua francesa que distribui 78 cadeiras no parlamento federal e onde os independentes do Bloco Quebequense lideram as pesquisas ao lado do Partido Liberal.

Ives-François Blanchet, chefe deste partido que apresenta candidatos apenas de Quebec, explicitou sua rejeição a uma aliança com os conservadores.

Trudeau deve enfrentar protestos de parte de sua base eleitoral de 2015, especialmente após sua decisão de nacionalizar o oleoduto Trans Moutain, violando, de acordo com seus detratores, seu discurso ambientalista.

No caso de não atingir a maioria parlamentar, o primeiro-ministro deve reconciliar posições com o NPD e o Partido Verde, que representam um programa ambiental muito mais ambicioso do que os liberais.

Os analistas políticos se mantêm prudentes em suas previsões eleitorais, levando em consideração que a alta taxa de indecisos dificulta as estimativas.

Por outro lado, a votação antecipada aumentou bastante em comparação com 2015.

Cerca de 4,5 milhões de eleitores podem exercer seu voto entre esta sexta e segunda-feira.