Edição nº 1100 14.12 Ver ediçõs anteriores

Tempo nublado

Tempo nublado

A Arábia Saudita e o fundo japonês de investimento SoftBank suspenderam um projeto de US$ 200 bilhões para a criação de uma megausina fotovoltaica. Anunciado em março deste ano como o maior projeto de energia solar do mundo, o parque teria a capacidade de criar 100 mil postos de trabalho e de gerar 200 gigawatts (GW) de energia no país do Oriente Médio. Segundo o reino saudita, uma estratégia mais ampla e mais prática para impulsionar a energia renovável está sendo elaborada e será anunciada no fim deste mês.

(Nota publicada na Edição 1091 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Descarte de vidro ganha um aliado

Embora produzido com elementos naturais, como a sílica, presente na areia das praias, o vidro leva quatro mil anos para se decompor e [...]

Brasil abriga 453 garimpos ilegais

A Amazônia brasileira conta com 453 garimpos ilegais. Isso é o que indica um estudo apresentado na segunda-feira 10 pela Raisg (Rede [...]

O troca-troca dos índios com os ruralistas

Um levantamento do jornal O Estado de S. Paulo, realizado a partir de dados fornecidos pela Fundação Nacional do Índio (Funai), [...]

Sorriso Solidário

O Instituto Sorridents, braço social da rede odontológica Sorridents, promoveu um jantar beneficente no Clube Homs, hotel em São Paulo, no último dia 28 de novembro. Com apoio de empresas como Nutty Bavarian, Bauducco, Cacau Show e Le Postiche, a ação reuniu 300 pessoas que participaram do leilão de produtos diversos, diárias em Spa, camisas […]

Desigualdade volta a crescer

Segundo pesquisa da ONG Oxfam Brasil, encomendada ao Instituto Datafolha, o Brasil passou da décima para a nona colocação no ranking das nações mais desiguais do mundo. O relatório “País Estagnado: Um Retrato das Desigualdades Brasileiras”, divulgado em 26 de novembro, mostra que, depois de 15 anos consecutivos de melhoria, a desigualdade de renda aumentou […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.