Giro

Tempestade solar de 500 km por segundo pode afetar tecnologia na Terra

Crédito: Reprodução/Pexels

Tempestades solares podem ser prejudiciais à tecnologia baseada em satélite, dificultando o alcance dos sinais deles ao solo. (Crédito: Reprodução/Pexels)

A Terra está sendo bombardeada por uma tempestade solar que atinge nosso planeta a 500 quilômetros por segundo, e os especialistas acreditam que isso pode causar problemas para nossa tecnologia. Essa tempestade geomagnética “moderadamente forte” que está nos atingindo pode ter consequências para a tecnologia dependente dos satélites da Terra.

Tempestades solares podem ser prejudiciais à tecnologia baseada em satélite, pois podem aquecer a atmosfera externa da Terra, fazendo com que ela se expanda e dificultando o alcance dos sinais de satélite ao solo. Além disso, uma onda de partículas pode causar altas correntes na magnetosfera, o que pode levar a eletricidade acima do normal nas linhas de força, causando a explosão de transformadores elétricos e usinas de energia, bem como a perda de energia. Os especialistas classificaram a tempestade atual como classe G2.

+ Via Láctea pode estar cheia de planetas com oceanos e continentes

Os ventos solares atingem nosso planeta à velocidade surpreendente de 500 quilômetros por segundo, ou seja, 1,8 milhão de quilômetros por hora. Uma pequena rachadura também se abriu no escudo magnético da Terra, uma ocorrência bastante comum, mas que pode levar a auroras mais brilhantes. Esses efeitos ocorrem quando a magnetosfera é bombardeada pelo vento solar que desvia as partículas, causando deslumbrantes luzes verdes e azuis.

Embora esta tempestade seja relativamente fraca, um astrônomo avisou que poderia haver um aumento na frequência e na potência das tempestades solares nos próximos anos, devido ao máximo solar. O Sol segue ciclos de 11 anos nos quais atinge um máximo solar e, em seguida, um mínimo solar. Durante um máximo solar, o Sol emite mais calor e é crivado de manchas solares. O menor calor em um mínimo solar é devido a uma diminuição nas ondas magnéticas que viajam pelo espaço profundo.

No ano passado, o Sol entrou em sua fase solar máxima, podendo atingir seu máximo nos próximos anos. Quando isso acontecer, ele irá liberar mais explosões solares que podem ser prejudiciais para a tecnologia da Terra.

Rami Qahwaji, professor de computação visual da Faculdade de Engenharia e Informática da Universidade de Bradford, que inventou um sistema que a NASA usa para analisar manchas solares e prever erupções solares, diz que a tecnologia pode ser afetada quando o máximo solar atingir seu pico projetado para 2025.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel