Economia

Temos vagas

Confiantes na expansão da economia, montadoras, redes de restaurantes, empresas de tecnologia e grupos varejistas voltam a contratar

Crédito: Claudio Gatti

A FESTA DO EMPREGO: o presidente da Dimension Data, Jefferson Anselmo (ao centro), está acompanhando de perto a seleção para contratar 200 pessoas (Crédito: Claudio Gatti)

As últimas semanas do ano estão movimentadas além do normal na sede da empresa sul-africana de tecnologia Dimension Data no Brasil, no bairro paulistano do Morumbi. Enquanto o time operacional acelera a entrega dos projetos de 2018 para seus 350 clientes no País – entre eles BR Distribuidora, Riachuelo, Hospital Oswaldo Cruz e Neoenergia –, o presidente Jefferson Anselmo acompanha in loco a contratação de 200 novos funcionários. Eles serão incorporados, com salário médio inicial de R$ 6 mil, ao quadro de empregados da companhia, hoje com 410 pessoas. O processo seletivo, focado em candidatos com experiência nas áreas de tecnologia, marketing e comercial, é o pilar do maior plano de expansão da subsidiária brasileira, uma das que apresenta o melhor desempenho global do grupo, dono de um faturamento de US$ 8 bilhões. Durante o ano, as contratações estavam congeladas até que as turbulências políticas e econômicas se dissipassem. “Recebemos da matriz a missão de dobrar o tamanho da nossa operação até 2020, algo que só é possível com o recrutamento de novas mentes brilhantes”, disse Anselmo à DINHEIRO, durante uma pausa entre uma entrevista e outra. “Como uma empresa de tecnologia, nossa maior riqueza é o conhecimento, a propriedade intelectual que está nas pessoas.”

A missão do executivo, no entanto, não tem sido fácil. Segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em outubro 12,3 milhões de desempregados buscavam um lugar ao sol no mercado de trabalho. Mesmo assim, para conseguir preencher as vagas, a Dimension Data teve de fazer parceria com ONGs dedicadas à recolocação profissional de refugiados, com universidades e escolas técnicas, além de algumas empresas caça-talentos. “O desemprego encheu o mercado de novos candidatos, mas não solucionou o endêmico desafio da baixa qualificação da mão-de-obra brasileira”, afirmou Anselmo, que comemorou a contratação de engenheiros sírios e venezuelanos nesta semana. “Por isso, cada vez mais, compor uma equipe competente e bem-treinada exige paciência e investimento para reter talentos.”

Taco Bell Fast Food                                                                                                                                                    Fundador: Carlos Wizard
CONTRATAÇÕES: a rede integra o plano da holding Sforza, que prevê abrir 45 mil vagas nos próximos cinco anos (Crédito:Divulgação)

A retomada do emprego, de fato, está promovendo um rali entre as grandes empresas. Para alcançar o objetivo de dobrar de tamanho nos próximos 12 meses, a empresa de TI Topmind decidiu pulverizar seu processo de contratação de 126 funcionários nas próximas semanas, na cidade paranaense de Londrina e na capital paulista. Outras 80 vagas serão preenchidas nas unidades de Minas Gerais e Rio de Janeiro, algo ousado para uma empresa de 360 funcionários. “Definimos um projeto para contratar e, principalmente, fidelizar esses novos colaboradores”, disse a CEO da empresa, Sandra Maura. A estratégia, segundo ela, consiste em oferecer uma remuneração atrativa e um ambiente de trabalho agradável. “Mesmo com tanta gente desempregada no mercado, temos de escolher os melhores, treinar os profissionais e buscar um índice baixo de rotatividade. A nossa está na casa de 2%, abaixo da média geral de 5%.”

Mercedes-Benz Montadora
Presidente: Philipp Schiemer
CONTRATAÇÕES: mais de 600 vagas para as fábricas de caminhões e implementos (Crédito:Claudio Gatti)

TECNOLOGIA O segmento que promete ser um dos principais palcos da disputa por bons currículos nesse novo cenário é o tecnológico. “O setor é o que mais vem demandando vagas”, diz Fernando Morette, diretor de operações do site de empregos da Catho. Dos 30 cargos com maior oferta de vagas disponíveis atualmente na plataforma, 12 são diretamente relacionados a essa atividade. A indiana TCS, de serviços de TI, é uma das empresas cuja área de RH tem cumprido uma agenda bem movimentada nos últimos meses. Desde março, a companhia ampliou sua equipe em mais de 500 pessoas. E agora vai contratar mil profissionais no Brasil até julho de 2019. O plano é preencher metade dessas vagas até o fim do ano. As oportunidades se dividem entre o centro de desenvolvimento, instalado em Londrina (PR), e os escritórios em São Paulo e no Rio de Janeiro.

“Temos percebido que os nossos clientes estão mais otimistas”, afirma Tushar Parikh, CEO local da TCS. O grupo atende grandes empresas em segmentos como finanças, mineração, bens de consumo, e óleo e gás. “Nosso objetivo é chegar a 4 mil profissionais no prazo de dois a quatro anos.”

Especializada em transformação digital, a brasileira CI&T também está à caça de programadores, desenvolvedores e afins. A empresa abriu 480 vagas neste ano, das quais 100 ainda estão disponíveis nas operações em Campinas, São Paulo e Belo Horizonte. “Crescemos a uma taxa média de 30% nos últimos anos”, diz Marcelo Trevisani, executivo-chefe de marketing da CI&T, dona de uma receita de R$ 498 milhões em 2017. “Se conseguimos navegar bem em um ambiente que não era favorável, a expectativa é que a demanda aumente ainda mais com a economia em crescimento.” As contratações acompanham investimentos recentes da companhia, entre eles, a transformação de seu centro de tecnologias digitais, em Belo Horizonte, em um hub de exportação para projetos internacionais. Hoje, 40% do faturamento já vem do exterior, por meio de clientes como Coca-Cola, McDonald’s e Johnson & Johnson.

Wyndham Hotelaria
Presidente: Alejandro Moreno
CONTRATAÇÕES: para suprir a demanda de 34 novos hotéis no País, mais de 2,8 mil pessoas serão recrutadas (Crédito:Divulgação)

A expectativa pela retomada não está restrita às empresas de tecnologia. A consultoria americana de recrutamento Robert Half antecipou à DINHEIRO dados da 6ª edição do Índice de Confiança, realizada em novembro e que será divulgada na próxima semana. Foram realizadas 1.161 entrevistas com profissionais empregados, desempregados e responsáveis pelo RH em companhias de diversos setores. O índice, que mede a percepção quanto ao mercado de trabalho, foi de 55,3, o maior da série histórica, iniciada em julho de 2017. Entre os recrutadores, 70% acreditam que 2019 será melhor que 2018 em relação à criação de vagas. No âmbito geral, outros 70% apontaram a definição do cenário eleitoral como o fator preponderante para esse reaquecimento. “Com maior previsibilidade, as empresas estão mais dispostas a assumir riscos e a desengavetar projetos que estavam suspensos”, diz Mário Custódio, diretor associado da Robert Half.

Um dos mais afetados pela crise dos últimos anos, o varejo vem reforçando esse sentimento de maior confiança. “Estou percebendo um clima mais positivo entre os empresários”, diz Carlos Wizard, fundador da Sforza, holding que reúne negócios como as redes de fast food KFC, Pizza Hut e Taco Bell. “Se o novo governo obtiver sucesso na reforma da Previdência, nas privatizações e na redução do tamanho do Estado, acredito que o Brasil entrará em um ciclo virtuoso de crescimento sustentável.” Sob essa perspectiva, a Sforza anunciou, em novembro, um plano de investimento de R$ 1,6 bilhão para os próximos cinco anos. No período, a projeção é gerar 45 mil empregos nos restaurantes, a partir da expansão do número atual de 250 lojas para 1.250 unidades, uma alta de 400%. Os aportes incluem ainda o Mundo Verde, rede de produtos naturais e orgânicos, e a Hub Fintech, de meios de pagamento.

FARMÁCIAS Dono das redes Drogaria São Paulo e Drogaria Pacheco, o grupo DPSP também segue essa toada de expansão. A empresa planeja manter um ritmo de abertura de cem lojas por ano. Hoje, são mais de 1,3 mil. Nessa trilha, além dos programas de estágio e de trainees, que contabilizam cerca de 170 vagas, a companhia tem mais de mil oportunidades disponíveis, a maioria delas voltadas a atendentes e farmacêuticos. “Estamos seguindo as perspectivas do setor, que tem previsão de crescimento entre 8% e 9% para 2019”, afirma Liliane Cammarano, gerente-executiva de recursos humanos da DPSP. Na avaliação de Nilson Pereira, CEO da consultoria Manpower, esse início de recuperação em segmentos como o varejo vem sendo guiado pela oferta de vagas operacionais, em detrimento de posições mais estratégicas. “Com a flexibilização do crédito e a perspectiva de aumento do consumo, as empresas estão reativando postos de trabalho para ampliar sua capacidade de atendimento e de vendas”, afirma o executivo. A Heineken é mais uma que aposta na volta dos consumidores às prateleiras. O grupo tem 600 contratações para fazer. “Neste ano, tivemos um crescimento de 12% em relação ao número de vagas no ano passado”, observa Raquel Guarinon Zagui, vice-presidente de Recursos Humanos da Heineken no Brasil.

Um movimento semelhante é registrado pela maior rede hoteleira do mundo com 9 mil hotéis, a Wyndham. O presidente da operação na América Latina, o mexicano Alejandro Moreno, está capitanenando a abertura de 34 hoteis no País entre 2018 e 2019, e a contratação de 5 mil funcionários operacionais na região, cerca de 2,8 mil deles no Brasil. “Estamos em uma fase sensacional de expansão das operações no Brasil”, afirma Moreno, que somente em novembro assinou a carteira de trabalho de 200 novos funcionários com a abertura do Wyndham Gramado Termas Spa, no Rio Grande do Sul. “Vamos acelerar no nosso mais ambicioso plano de crescimento.”

Em outra frente, Pereira, da Manpower, aponta outras indústrias que investiram fortemente até 2014 e que, com a chegada da crise, passaram a operar com grande capacidade ociosa. “Pouco a pouco, essas companhias estão abrindo novos turnos e reativando linhas de produção.” Esse é o caso de grandes montadoras, como Volkswagen e Mercedes-Benz. No caso da VW, a retomada das vendas de veículos motivou o anúncio de contratação de 800 pessoas nesta semana. Cerca de 500, muitos deles que tiveram seus contratos suspensos nos últimos anos, em razão da queda dos mercados, serão reincorporados para a fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, onde será produzido o T-Cross, primeiro SUV da Volkswagen a ser fabricado no País. “A Volkswagen vive um excelente momento, com a maior ofensiva de produtos da nossa história e uma forte retomada das vendas”, disse Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen América Latina. “Crescemos em 2018 mais do que o dobro da indústria e fechamos o ano com uma sólida segunda posição. Anunciamos a contratação de 250 empregados na nossa fábrica de motores, em São Carlos, no interior de São Paulo, em razão do aquecimento do mercado interno e da ampliação do contrato de exportação.”

Já a Mercedes-Benz está contratando 600 novos colaboradores para aumentar os seus volumes de produção de caminhões para a crescente demanda no mercado brasileiro em 2019. “As empresas de transporte estão olhando com mais otimismo para o cenário econômico em função do controle de índices como a inflação, taxa de juros e câmbio, além da expectativa pelo crescimento do PIB”, disse Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz América Latina. “Isso traz a desejada previsibilidade nos negócios, gerando segurança para que clientes invistam na renovação de frota. Estamos novamente ao lado deles nesse momento de retomada”.