Giro

Tédio no trabalho também afeta a saúde: conheça a síndrome de Boreout

Crédito: Pexels

O colaborador carece de motivação para o trabalho (Crédito: Pexels )



Diferente da síndrome de burnout, quando uma pessoa sofre por trabalhar demais, a síndrome de boreout é provocada por uma certa apatia ou tédio ao trabalho. A nomenclatura da síndrome surgiu em 2007 e vem da palavra “boring” em inglês, que quer dizer tédio. O colaborador carece de motivação para o trabalho, o que pode afetar a sua qualidade de vida.

Para Luciene Bandeira, psicóloga organizacional e sócia da empresa Psicologia Viva, a síndrome surge quando “a pessoa não vê propósito nas atividades dela do dia a dia ou ela é menos exigida do que pode. Imagine uma pessoa que tem oito horas para terminar uma atividade e termina em duas horas, por exemplo”.

+ Anticorpos gerados pela CoronaVac caem após 6 meses, dose de reforço ajuda, mostra estudo
+ Dose mista de AstraZeneca e Pfizer reforça níveis de anticorpo da Covid-19, diz estudo

Sintomas




De uma forma geral, a pessoa com Boreout sente estresse, desmotivação, dificuldade de concentração, além de poder desenvolver características de ansiedade e depressão.

“A pessoa não se sente valorizada e motivada. Ela passa a não ter vontade de almejar desafios na empresa. Muitas vezes, ela nem tem mais vontade de ser reconhecida”, explica Letícia Goulart, psicóloga organizacional e diretora da empresa Síntese, de psicologia.

Em quais empresas o Boreout é mais comum?


O Boreout pode se esconder na diferença entre a política e a prática organizacional. “Essa desmotivação pode vir da relação não assertiva das empresas, que têm missões, visões, crenças de gestão, valores, que elas mesmas não seguem na prática”, afirma Goulart. E completa: “quando o colaborador é recrutado pensa que será de uma maneira e quando se depara com o trabalho é algo completamente diferente, principalmente em multinacionais”.

Empresas com sistemas muito burocráticos, pouca autonomia, hierarquia vertical são propícios para a síndrome. “Existem empresas, por exemplo, que têm uma crença de gestão ou um valor de que as pessoas podem dialogar. Mas dentro de um setor há um chefe que não sabe dialogar”, completa Goulart.

“Outra característica comum são pessoas que trabalham em ambientes ruins, tóxicos, ou onde não há espaço para sugestões ou criatividade. Isso vai desmotivando a pessoa”, argumenta Bandeira.

Como sair do Boreout?

As especialistas ressaltam que o colaborador pode tocar projetos fora da empresa para suprir essa necessidade. Outra dica para sair do Boreout é o diálogo com outros colaboradores que têm abertura para novos pensamentos, com o RH, ou com um gerente da área.

Do lado das empresas, elas devem abrir espaço para feedback, propor novas atividades, criar projetos de inovação e deixar que as pessoas participem.