Ciência

Tecido capaz de neutralizar coronavírus é desenvolvido no Brasil

Crédito: Divulgação/Fiocruz

Uma parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Bio-Manguinhos (unidade da Fiocruz) e Diklatex permitiu o desenvolvimento de um tecido que pode neutralizar o novo coronavírus (Crédito: Divulgação/Fiocruz)

Uma parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Bio-Manguinhos (unidade da Fiocruz) e Diklatex permitiu o desenvolvimento de um tecido que pode neutralizar o novo coronavírus. Testes preliminares foram realizados no início de junho e demonstraram que as amostras do tecido foram capazes de inativar mais de 99,9% das partículas virais respiratórias do sarampo e da caxumba. Em seguida, após testar positivamente para os dois vírus, os pesquisadores confirmaram a mesma eficácia para a covid-19.

De acordo com informações da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Bio-Manguinhos, em parceria com o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Senai CETIQT) e Diklatex, está avaliando experimentalmente a ação desses tecidos antivirais para a produção de máscaras e aventais. De acordo com a chefe do Laboratório de Tecnologia Virológica (Latev), Sheila Maria Barbosa de Lima, um dos tecidos avaliados foi capaz de inativar 99,9% das partículas virais do novo coronavírus após um minuto de contato do vírus com o material.

+ Bebê contraiu coronavírus na barriga da mãe, aponta estudo francês
+ Japão acusa China de “desinformação” sobre o coronavírus

“A comprovação da ação anti-SARS-CoV-2 do tecido produzido pelo SENAI CETIQT/Diklatex se destaca no cenário atual do País em meio à pandemia como um importante equipamento de proteção no combate à disseminação do vírus”, afirma a chefe do Latev.



Para o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, o resultado da parceria demonstra que “a inovação é decisiva para o Brasil enfrentar as consequências do novo coronavírus e também será essencial no pós-pandemia, quando o País terá o desafio de repensar a atividade produtiva para que seja mais forte e competitivo diante das oportunidades que vão surgir”.

A expectativa é de produção de 600 mil peças por mês com o tecido antiviral, entre máscaras, aventais e uniformes hospitalares. Segundo a CNI, desde março, equipes com vários profissionais vêm trabalhando no desenvolvimento do material, dentro de um projeto que foi selecionado pelo Edital de Inovação para a Indústria. (Equipe AE)

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago