Taylor’s de cinema, em apenas 700 garrafas

Taylor’s de cinema, em apenas 700 garrafas

Um vinho do Porto envelhecido por 90 anos em barricas de carvalho e apresentado em decantador de cristal com detalhes em ouro e caixa de madeira. Assim é o Very Old Tawny Port, homenagem ao filme The King’s Man, com estreia mundial prevista para 12 de fevereiro.

A edição será limitada a apenas 700 garrafas e nasceu de uma colaboração entre a casa Taylor Fladgate, a produtora de cinema 20th Century Studios e o diretor do filme, Matthew Vaughn.

Baseada em fatos histótricos ocorridos durante a Primeira Guerra, a trama retrata uma época em que o governo britânico enviava lotes de vinho do Porto para o front como forma de elevar o moral dos combatentes.

Ainda não há previsão de vendas para o Brasil, mas a preciosidade está disponível no site Taylor.pt por 3 mil euros, com entrega restrita a Portugal.



(Nota publicada na edição 1208 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Luciana Lancellotti é editora de Estilo da DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.