Giro

Taxa de ocupação de UTI em SP ultrapassa 70%

A ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) em todo o estado de São Paulo chegou hoje (20) a 70%, maior taxa registrada desde o início do ano. No dia 5 de janeiro, estava em 62,5%, o que indica que as internações vêm crescendo em um ritmo muito forte e rápido em São Paulo nas últimas semanas.

Os leitos de UTI de todo o estado estão sendo ocupados, neste momento, por 6.053 pessoas. Por causa desse aumento na taxa de ocupação, o governo paulista anunciou, hoje (20), que fará uma nova reclassificação do Plano São Paulo na sexta-feira (22). A expectativa é que mais regiões do estado regridam de fases.

Será a terceira vez, somente neste mês, que o governo paulista promove a reclassificação no Plano São Paulo. A primeira ocorreu no dia 8 de janeiro e a expectativa do governo era de que a próxima fosse feita somente no dia 5 de fevereiro. Mas com o crescimento rápido da contaminação, o governo acabou fazendo uma nova reclassificação no plano na sexta-feira (15).

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases, que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais, o vermelho, a etapas identificadas como de controle, a laranja; de flexibilização, amarelo; de abertura parcial, a verde, e a normal controlado, azul. 



O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da pandemia.

Ontem (19), São Paulo ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus (covid-19), somando hoje 1.658.636 casos. A média móvel dos últimos sete dias está em 11.645 casos por dia, aumento de 7% em relação à semana anterior.

Vacinação

A vacinação das comunidades quilombolas vai ter início na sexta-feira (22), informou hoje (20) o governador de São Paulo, João Doria.

A vacinação em São Paulo teve início no domingo (17) com a aplicação de doses em profissionais da saúde e indígenas. Como as doses são insuficientes para toda essa população, o governo paulista está, neste primeiro momento, privilegiando os profissionais de saúde que estão na linha de frente de combate à covid-19. Até o momento, segundo o Vacinômetro do governo paulista, mais de 16 mil pessoas já foram vacinadas no estado. 

Segundo Regiane de Paula, coordenadora de Controle de Doenças da Secretaria estadual da Saúde, desde segunda-feira (18) até hoje (20) o governo paulista já conseguiu distribuir 500 mil doses da vacina para 13 regionais da saúde em 123 cidades. A expectativa é que até sexta-feira (22) todos os 645 municípios paulistas recebam doses da vacina.

Insumos

A vacinação no Brasil utiliza o imunizante CoronaVac, produzido pelo Instituto Butantan com a farmacêutica chinesa Sinovac, e que teve seu uso emergencial aprovado no domingo (17) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, neste início da campanha de vacinação, apenas 6 milhões de doses estão sendo utilizadas no país, sendo que 1,4 milhão estão em São Paulo. 

O Instituto Butantan solicitou esta semana à Anvisa que outras 4,8 milhões de doses já prontas sejam também aprovadas para uso emergencial no país, o que somaria um total de 10,8 milhões de doses.

Para que sejam produzidas mais doses da vacina no país, o Instituto Butantan necessita que seja enviado ao Brasil matéria-prima da China. 

O governo paulista, por meio de seu escritório em Xangai, tem tentado negociar com o governo chinês a importação desses insumos, uma vez que são necessários para o Instituto Butantan fabricar novas doses da vacina. 

“Dependemos de importação de quantidades adicionais de matéria-prima”, disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, que pediu apoio do governo federal nessas tratativas com o governo chinês para acelerar a liberação da matéria-prima.

Segundo ele, os insumos já estão prontos, esperando autorização de quatro instâncias chinesas para poder embarcar para o Brasil: os ministérios da Saúde e das Relações Exteriores, da agência reguladora de vigilância sanitária e da Aduana. Três dessas instâncias, segundo ele, já autorizaram o embarque. Falta uma delas, que ele não especificou qual.

“Nossa previsão é que um total de 5,4 mil litros devam chegar até o final deste mês a São Paulo, e mais 5,6 mil litros cheguem até o dia 10 de fevereiro [cada mil litros produz aproximadamente 1 milhão de doses]. Essa matéria-prima está pronta, aguardando o trâmite burocrático. Em relação à produção, a capacidade de envase do Instituto Butantan é de 1 milhão de doses por dia, mas o processo começa com o envase, mas tem também um processo de produção, e isso demora em torno de 20 dias”, explicou Dimas Covas.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel