Meio ambiente

Suzuki e Mazda admitem falsificações em controles de poluição

Suzuki e Mazda admitem falsificações em controles de poluição

O presidente (c) e dois diretores da Suzuki Motor participam de entrevista coletiva em Tóquio - Jiji/AFP

Um mês depois da Nissan, as fabricantes japonesas Suzuki, Mazda e Yamaha Motor admitiram terem manipulado os controles de poluição de alguns veículos – anunciou o Ministério japonês dos Transportes nesta quinta-feira (9).

Essas irregularidades vieram à tona após o governo ordenar investigações internas aos 23 fabricantes de automóveis e motos do Japão.

A investigação permitiu estabelecer que Suzuki, Mazda e Yamaha Motor utilizaram “métodos inapropriados” nos controles de seus veículos.

A Suzuki admitiu que 6.401 veículos foram afetados – ou seja, metade dos que foram submetidos aos testes entre 2012 e 2018.

Há dois anos, a Suzuki já tinha sido criticada após admitir que mediu a poluição de seus veículos de forma não regulamentar.

No caso da Mazda e da Yamaha Motor, as manipulações são são menos vistosas: 3,8% da amostragem, para a primeira, e 2,1%, para a segunda companhia.

Entre as demais 20 empresas, a maioria afirmou não ter identificado nenhuma irregularidade, e outras ainda precisam anunciar o resultado de suas investigações.