Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Sustômetro

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante inteligente, aquele monitor de fitness, aquele fone de ouvido sem fio?” Marca mãe do navegador Firefox, o Mozilla tem uma fundação homônima que batalha por uma internet mais democrática e segura. É por meio dela que criou a lista dos equipamentos mais vulneráveis a vazamentos e captura de dados que conectam usuários a internet. A lista avalia os “padrões mínimos de segurança”: uso de criptografia, atualizações de segurança automáticas, exigência de senhas fortes, disponibilidade de recursos para administrar vulnerabilidades e apresentação de uma política de privacidade acessível. Entre os mais “creepy”, estão dispositivos de marcas populares como Amazon, Facebook e Google. Entre os não assustadores estão Sony PS4, Amazon Kindle, Jabra Elite 75t (fones) e Apple Watch 5. A lista completa está no sugestivo link foundation.mozilla.org/en/privacynotincluded/

(Nota publicada na Edição 1149 da revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]

Lei anti-fake news é usada em Cingapura

Cingapura usou pela primeira vez sua lei anti-fake news, a Lei de Proteção contra Falsidades e Manipulação On-line, POFMA, ao ordenar [...]
Ver mais