Negócios

Surfista motorizado

Crédito: Divulgação

Foi atrás da onda perfeita que o médico Marco Aurélio Raymundo,o Morongo, trocou o Rio Grande do Sul por Garopaba (SC), onde fundou, em 1976, a Mormaii, uma das principais marcas do segmento de roupas esportivas no Brasil, muito ligada ao surfe. Com os anos, foi se diversificando. Hoje, são 44 licenças, distribuídas nas áreas de confecção, calçados, equipamentos, acessórios e fitness. A mais recente aposta do grupo liderado por Morongo é o segmento de motovelocidade.

Com investimento da ordem de R$ 5 milhões e previsão de faturamento de R$ 50 milhões até 2023, a Mormaii e-motors foi desenvolvida para produzir, inicialmente, cinco opções de bikes e três de motos, todas elétricas. Um dos diferenciais, segundo o presidente da empresa, é ser uma das poucas marcas habilitadas no Brasil pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), permitindo o emplacamento.

O propósito ambiental também é, na avaliação do presidente, um componente a mais para atrair o mercado consumidor. “A bateria usada é de lítio, o que significa emissão de carbono zero”, afirmou Morongo. A expectativa de venda no segundo semestre é de 250 motos e 500 bikes. Até 2023, a meta é 1 mil unidades de motos e 2 mil bikes por mês. Se é para sair do mar motorizado, que seja de uma forma sustentável.

(Nota publicada na edição 1231 da Revista Dinheiro)