Giro

Supremo nega habeas a empresário acusado de encomendar assassinato por dívida

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal negou habeas corpus ao empresário Danilo Afonso Pechin, denunciado por homicídio qualificado por motivo torpe. Segundo a acusação, ele teria encomendado a morte do advogado Francisco Assis Henrique Neto Rocha, de 57 anos, assassinado após uma emboscada em um posto de gasolina em São Paulo, no ano passado.

De acordo com o Ministério Público, o crime foi motivado por uma dívida de R$ 2,5 milhões de Pechin com o advogado em razão de venda de bitcoins. O pedido de soltura foi negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e pelo Superior Tribunal de Justiça. As Cortes destacaram as provas contra o empresário, como registros de ligações telefônicas, que indicam sua participação no crime.

A defesa recorreu ao Supremo, alegando que Pechin estava atuando para elucidar o caso, é réu primário e tem bons antecedentes. Os advogados pontuaram ainda que a prisão era desnecessária, pois a instrução penal do caso foi realizada sem interferências. Em fevereiro, o ministro Marco Aurélio Mello concedeu a liminar, que foi derrubada pelo colegiado do STF.

Os ministros seguiram o entendimento divergente de Alexandre de Moraes. Segundo o ministro, não cabe ao Supremo aceitar habeas corpus contra decisão monocrática do STJ, como foi no caso de Pechin. Rosa Weber, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso seguiram Moras e cassaram a liminar de Marco Aurélio.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?