Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Supersônico exclusivo

Supersônico exclusivo

Por quase três décadas até sua aposentadoria, em 2003, o avião supersônico Concorde, produzido por um consórcio da britânica British Aircraft Corporation com a francesa Aérospatiale, foi um símbolo de glamour e velocidade, transportando passageiros por trechos como Nova York a Londres em apenas três horas e meia, a metade do tempo convencional. Mas agora os supersônicos devem voltar aos céus: as fabricantes americanas de aeroespaciais Aerion Corporation e Lockheed Martin anunciaram a última fase de desenvolvimento do modelo AS2 Supersonic para voos comerciais, com capacidade para 12 passageiros – o Concorde chegava a transportar 100 pessoas. A previsão é que o AS2 entre em operação a partir de 2025.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Caviar como enfeite de pulso

As ovas do esturjão deixaram de ser apenas um tipo caríssimo de iguaria gastronômica. Elas agora batizam uma grife russa especializada [...]

Uma árvore de natal para chamar de Louis Vuitton

Quer ter a árvore de Natal mais estilosa de toda a vizinhança? O segredo é decorá-la com os enfeites de flores da Louis Vuitton, que [...]

A cadeira que se adapta a você

Em 1992, a empresa americana Herman Miller lançou a cadeira ergonômica Aeron, cujas linhas futuristas caíram no gosto dos então [...]

28 dias nos mares do sul

A companhia de cruzeiros marítimos Regent Seven Seas Cruises preparou um itinerário de 28 dias que explora a parte sul do nosso [...]

“La vie en rose” na Provença

Os rosés nunca foram muito apreciados pelos fãs de vinho, mas isso é um erro. A vinícola Domaines Ott, na Provença, sul da França, faz [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.