Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Supersônico exclusivo

Supersônico exclusivo

Por quase três décadas até sua aposentadoria, em 2003, o avião supersônico Concorde, produzido por um consórcio da britânica British Aircraft Corporation com a francesa Aérospatiale, foi um símbolo de glamour e velocidade, transportando passageiros por trechos como Nova York a Londres em apenas três horas e meia, a metade do tempo convencional. Mas agora os supersônicos devem voltar aos céus: as fabricantes americanas de aeroespaciais Aerion Corporation e Lockheed Martin anunciaram a última fase de desenvolvimento do modelo AS2 Supersonic para voos comerciais, com capacidade para 12 passageiros – o Concorde chegava a transportar 100 pessoas. A previsão é que o AS2 entre em operação a partir de 2025.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Gala brazuca

A BrazilFoundation, organização não-governamental criada em Nova York em 2000 que já arrecadou mais de US$ 40 milhões para apoiar [...]

Poder à beira-mar

Uma mansão de mil metros quadrados à venda na região de Palm Beach, na Florida, tem um apelo peculiar: sua proprietária é Maryanne [...]

Hospedagem lúdica

Um novo hotel cinco estrelas no Catar, com projeto do designer holandês Marcel Wanders, tem chamado a atenção por sua excentricidade. [...]

Para colecionador

A fabricante alemã de câmeras Leica, conhecida por produzir equipamentos de alta qualidade, lançou uma edição limitada de 100 [...]

Coleção Rockefeller no mercado

A morte de David Rockefeller em 2017 abriu espaço para uma venda de obras que promete agitar o mundo da arte em maio do próximo ano. A [...]
Ver mais

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.