Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Supersônico exclusivo

Supersônico exclusivo

Por quase três décadas até sua aposentadoria, em 2003, o avião supersônico Concorde, produzido por um consórcio da britânica British Aircraft Corporation com a francesa Aérospatiale, foi um símbolo de glamour e velocidade, transportando passageiros por trechos como Nova York a Londres em apenas três horas e meia, a metade do tempo convencional. Mas agora os supersônicos devem voltar aos céus: as fabricantes americanas de aeroespaciais Aerion Corporation e Lockheed Martin anunciaram a última fase de desenvolvimento do modelo AS2 Supersonic para voos comerciais, com capacidade para 12 passageiros – o Concorde chegava a transportar 100 pessoas. A previsão é que o AS2 entre em operação a partir de 2025.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Aventura nas alturas

A VistaJet Group Holding, empresa de aviação privada sediada em Malta, criou o Adventures in the Sky em parceria com a Sharky & [...]

O high-tec da Montblanc

A suíça Montblanc lançou um acessório que pode ser acoplado em qualquer relógio da marca para torná-lo inteligente. O Twin Smart Start [...]

Cavalinho precioso

Uma Ferrari 250 GTO de 1963 foi vendida por € 59 milhões de euros, cerca de R$ 270 milhões. O modelo é uma raridade: apenas 39 unidades [...]

Raridades do Brasil

O Museu de Arte de São Paulo (MASP) recebeu cerca de 66 obras inéditas e raras de artistas brasileiros, produzidas nos séculos 19 e 20, [...]

Um brinde no espaço

A VistaJet Group Holding, empresa de aviação privada sediada em Malta, criou o Adventures in the Sky em parceria com a Sharky & [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.