Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Supersônico exclusivo

Supersônico exclusivo

Por quase três décadas até sua aposentadoria, em 2003, o avião supersônico Concorde, produzido por um consórcio da britânica British Aircraft Corporation com a francesa Aérospatiale, foi um símbolo de glamour e velocidade, transportando passageiros por trechos como Nova York a Londres em apenas três horas e meia, a metade do tempo convencional. Mas agora os supersônicos devem voltar aos céus: as fabricantes americanas de aeroespaciais Aerion Corporation e Lockheed Martin anunciaram a última fase de desenvolvimento do modelo AS2 Supersonic para voos comerciais, com capacidade para 12 passageiros – o Concorde chegava a transportar 100 pessoas. A previsão é que o AS2 entre em operação a partir de 2025.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A voz do camaleão do rock

O cantor e compositor inglês David Bowie (1947-2016) foi um dos músicos mais influentes da história do rock, especialmente por sua [...]

O sabor do café personalizado

A Gaggenau, fabricante alemã de eletrodomésticos, trouxe para o Brasil a Home-Barista, uma máquina de café que monitora automaticamente [...]

Lamborghini do mar

A brasileira Intermarine lançou o Intermarine 58 offshore. Com capacidade para transportar 14 pessoas, a lancha tem 57,75 pés de [...]

Design inteligente

A Apple se juntou à grife francesa Hermès para produzir o novo Apple Watch Series 4. O smartwatch vem com uma pulseira de couro [...]

Joias históricas

A joalheria italiana Bulgari está expondo suas peças históricas, como um colar usado pela atriz Elizabeth Taylor (1932-2011). A peça [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.