Giro

Suicídio entre enfermeiras é o dobro da população feminina em geral

Crédito: Reprodução/Pexels

Enfermeiras têm duas vezes mais probabilidade de cometer suicídio do que a população feminina em geral e 70% mais probabilidade do que médicas (Crédito: Reprodução/Pexels)

Enfermeiras têm duas vezes mais probabilidade de cometer suicídio do que a população feminina em geral e 70% mais probabilidade do que médicas, de acordo com um estudo da Universidade de Michigan que examinou o suicídio entre médicos e enfermeiras.

“É muito maior do que eu esperava”, disse o autor principal do estudo, Matthew Davis, professor associado da Escola de Enfermagem. “A lição para mim é que nos concentramos tanto no bem-estar dos médicos que, historicamente, não prestamos atenção suficiente a essa enorme força de trabalho que, com base em nossos dados, corre um risco muito maior”.

+ Com 3.462 mortes por covid em 24h, média móvel se mantém acima de 3 mil óbitos

Davis diz que as demandas extraordinárias que o COVID-19 impõe às mulheres – desde a educação em casa até a busca por creches – exacerba o estresse que essas enfermeiras experimentam. O estudo atual não inclui dados da pandemia, o que significa que esses números podem ser ainda maiores agora, diz ele.

Enfermeiros e médicos enfrentam muitos fatores de risco semelhantes para suicídio, mas em enfermeiras esses fatores de risco são potencialmente exacerbados por longas horas, disse o co-autor Christopher Friese, professor de enfermagem de Elizabeth Tone Hosmer e professor de gestão e políticas de saúde no Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan.

Entre os enfermeiros do sexo masculino, o risco de suicídio não é maior do que a população masculina em geral, concluiu o estudo. Mas os pesquisadores ficaram surpresos com o alto número de suicídios entre enfermeiras em comparação com as médicas, e não encontraram nenhuma diferença nas taxas de suicídio de médicos e do público em geral, o que difere de estudos anteriores.

Existem algumas razões possíveis para isso, eles dizem: Pode ser que os estudos do médico não estejam capturando o quadro inteiro – a maioria são estudos pequenos, de estado único e datados. Ou, talvez, os programas de bem-estar direcionados aos médicos tenham funcionado. Finalmente, os legistas podem estar subestimando essa causa de morte para os colegas médicos.

Mais da metade de todos os suicídios da população em geral resultam de ferimentos à bala. Entre os enfermeiros, entretanto, a overdose é mais comum. E tanto enfermeiras quanto médicos são mais propensos a ter antidepressivos, benzodiazepínicos, barbitúricos e opiáceos em seu sistema, o que sugere uma necessidade de maior consciência de saúde comportamental entre os profissionais de saúde, dizem os pesquisadores.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel