Sucesso compartilhado

Sucesso compartilhado

Escola de desenvolvedores de softwares lançada em agosto de 2019, a Trybe aposta no Modelo de Sucesso Compartilhado, em que o aluno só paga a mensalidade do curso quando começar um trabalho com salário de, no mínimo, R$ 3,5 mil. Assim, se o estudante tiver sucesso, a empresa também tem. E vice-versa. “Aceitamos o risco junto a eles”, afirma o CEO da companhia, Matheus Goyas.



Esse tipo de negócio já funciona nos Estados Unidos. Por aqui, o atrativo é grande. Para as 100 vagas abertas pela Trybe neste início de ano, foram 4.800 inscrições. Obviamente, houve processo seletivo para aprovação.
Essa procura tem um indicador importante. A Trybe está no meio de duas pontas antagônicas do atual cenário econômico nacional: de um lado, 13 milhões de brasileiros desempregados; do outro, falta mão de obra qualificada no mercado de Tecnologia da Informação. Apesar disso, Matheus Goyas, CEO da companhia, afirma que o diferencial é a “qualidade do ensino”.

A empresa acaba de receber aporte de R$ 42 milhões do fundo Atlântico (Canary e Global Founders Capital). “Vamos expandir conforme tenhamos segurança que nossa qualidade está melhorando”, diz o executivo, que montou a empresa com Claudio Lensing, João Duarte, Marcos Moura e Rafael Torres. A projeção é de, ainda neste ano, abrir mais nove turmas e chegar a 600 estudantes. Até 2021, a startup visa alcançar a marca de 3 mil alunos. A Trybe já tem hubs em Belo Horizonte, São Paulo, Itajubá e Florianópolis, e atende sem posto em 12 municípios.

A grande pergunta que fica é: se o aluno não for empregado com o salário sugerido, como fecha a conta? Não tem mágica. São três tipos de planos para os cursos que têm duração de um ano. A primeira possibilidade é o plano de R$ 24 mil, que tem de ser pago em 12 meses. A segunda, pagamento à vista de R$ 20 mil. Ou, o Modelo de Sucesso Compartilhado, em que o aluno só paga a mensalidade quando conseguir emprego com salário acima de R$ 3,5 mil.

Quando conseguir um trabalho, fará pagamentos mensais de 17% da sua remuneração. Se perder o emprego, o pagamento da mensalidade é suspenso. E a quitação do curso ocorre de duas formas: quando o aluno pagou um total de R$ 36 mil ou fizer cinco anos desde que completou sua formação na Trybe, mesmo se não tiver pagado nada ou apenas uma parte do curso. “A ideia é trabalhar ativamente desde o início para preparar e conectar os estudantes com nossas empresas parceiras”, explica Goyas, que antes de lançar a Trybe esteve à frente do AppProva, plataforma de questões e simulados gratuitos para o Enem – a startup foi adquirido em 2017 pela Somos Educação.



(Nota publicada na edição 1163 da Revista Dinheiro)


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?


Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.