Edição nº 1058 23.02 Ver ediçõs anteriores

Substituição de super-heróis na Netflix

Substituição de super-heróis na Netflix

A compra da Millarworld pela Netflix, na semana passada, veio em boa hora. A editora de quadrinhos adquirida criou histórias que viraram filmes de sucesso da Marvel, como Vingadores, Capitão América: Guerra Civil e Logan, além de contar com personagens como Kick-Ass e Kingsman. Eles devem ser essencais a partir de agora. Afinal, a companhia de Los Gatos, na Califórnia, vai perder o conteúdo da Disney, dona de todas as produções da Marvel, como Demolidor, Jessica Jones e Luke Cage, e da LucasFilm (responsável pela franquia Star Wars) de seu catálogo até 2019. A ação foi decidida em comum acordo. A Disney planeja lançar o seu próprio serviço de streaming daqui a três anos. Com a Millarworld, a Netflix vai poder usar os personagens e as histórias para intensificar a sua aposta em produções originais. O valor da transação não foi revelado.

(Nota publicada na Edição 1031 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O negócio do fantasma

Evan Spiegel, fundador e CEO do Snapchat, realizou sua primeira venda de ações desde o IPO da companhia, em março de 2017:   (Nota [...]

52ª

Foi a posição do Brasil no ranking de velocidade da internet 4G com média de 19,67 Mbps Fonte: OpenSignal (Nota publicada na Edição 1058 da Revista Dinheiro)

A Uber vai fazer você andar

A Uber quer reduzir o valor das corridas em seu aplicativo de transporte. A empresa americana lançou, na quarta-feira 21, a modalidade [...]

Google Pay chega ao Brasil

Agora é possível realizar pagamentos em lojas físicas utilizando o aplicativo Google Pay. A plataforma, que armazena informações de [...]

A aposta corporativa da 99

A 99 já sabe no que precisa investir para crescer cada vez mais no Brasil. No ano passado, a empresa brasileira multiplicou por seis os [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.