Agronegócio

StoneX eleva safra de café 2021 do Brasil; geada teria efeito em 2022

StoneX eleva safra de café 2021 do Brasil; geada teria efeito em 2022

Trabalhador seca grãos de café arábica em Poços de Caldas, Brasil.

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) -A safra de café do Brasil 2021/22, que está sendo colhida, foi estimada nesta quarta-feira em 53,7 milhões de sacas de 60 kg, divulgou a consultoria StoneX, apontando uma alta de 4,5% ante previsão de janeiro.

A colheita de café arábica foi projetada em 33,7 milhões de sacas, versus 31,4 milhões de sacas na previsão anterior, enquanto a de robusta foi vista em 20 milhões de sacas, estável ante a estimativa do início do ano.[nL1N2KA2OD]

“Apesar do clima adverso, os volumes de chuva acima da média observados em fevereiro contribuíram de forma favorável para o desenvolvimento da safra na região das Matas de Minas, principalmente”, disse a StoneX, ao apresentar os resultado de uma expedição técnica.



“Por outro lado, os volumes pluviométricos abaixo da média foram desfavoráveis em parte da região Sul de Minas Gerais, Cerrado e Mogiana.”

A estimativa atual representa uma redução de 17,5% se comparado com a produção em 2020/21, estimada em 65,1 milhões de sacas.

Para a variedade robusta, espera-se um incremento anual de 11%.

Para o arábica, espera-se uma redução de 28,5%, com as lavouras no ano de baixa do ciclo de produção e sentindo os efeitos também da seca.

GEADAS

As projeções foram divulgadas no mesmo dia em que geadas foram registradas em áreas de café do norte do Paraná e em algumas lavouras de São Paulo.

Questionado, o analista da StoneX disse não ter informação do campo até o momento sobre o impacto de geadas, relatadas por meteorologistas à Reuters.

No entanto, ele disse que, se as geadas efetivamente atingiram os cafezais, o impacto seria para a safra do próximo ano.

“A questão é o próximo ciclo. Vamos iniciar o período de florada… a geada queima os ramos, consequentemente não teria florada e desenvolvimento dos frutos, essa é a questão que está em risco no momento”, afirmou.

A safra do ano que vem será a de maior produtividade do arábica, considerando o ciclo bienal que alterna altas e baixas.

“Pegou alguma coisa no Paraná e São Paulo, mas ainda não deu para ver a extensão dos estragos”, disse o analista da Safras & Mercado Gil Barabach.

Ele comentou que o mercado está “de lado”, esperando por novidades e de olho na próxima madrugada, que pode ter novas ocorrências do fenômeno climático.

No Paraná, a geada desta quarta-feira atingiu as lavouras de café, assim como a cana e o milho.

Mas o Estado é um pequeno produtor nacional de café, respondendo por menos de 2% da colheita brasileira.

“Ainda é cedo, muito prematuro para falarmos em termos de prejuízo… uma boa parte da lavoura foi afetada superficialmente pelas geadas…”, disse o especialista do Departamento de Economia Rural (Deral), Paulo Franzini.

Ele confirmou que, para esta safra de 2021, a geada não gera problema, pois “não foi severa para afetar os frutos”.

“Mas para o próximo ano é possível que alguns talhões terão perdas de potencial, mas é preciso aguardar os próximos dias para ter uma ideia melhor.”

(Por Roberto Samora; edição de Nayara Figueiredo)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5T170-BASEIMAGE

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km

Tópicos

Updated