Economia

Startups de tecnologia testam apetite de investidor e esperam captar R$ 3,5 bi

Crédito: Reprodução / Facebook

O site de intermediação de vendas Enjoei.com, a empresa de cupons de desconto Méliuz e o e-commerce de vinhos Wine estão com estreias programadas na B3 (Crédito: Reprodução / Facebook)

Antes concentradas em listagens nos Estados Unidos, as startups e empresas de tecnologia brasileiras começaram a buscar captação no mercado local, em um momento em que os investidores procuram complementar suas carteiras com mais empresas ligadas ao mundo digital.

Nas próximas semanas, o site de intermediação de vendas Enjoei.com, a empresa de cupons de desconto e cashback Méliuz e o e-commerce de vinhos Wine estão com estreias programadas na B3, com ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) que podem chegar a mais de R$ 3,5 bilhões, movimento ainda novo no mercado brasileiro.

Conheça cinco startups que valem mais de US$ 1 bilhão e querem revolucionar a saúde

Facebook cria no Brasil programa de aceleração de startups focado em agricultura

Ainda entre as candidatas com perfil tech, já com pedido de registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas ainda sem data, estão a plataforma de aluguel de imóveis Housi e a Mosaico, dona do site Buscapé.

O movimento das empresas de tecnologia ocorre em um momento de maior volatilidade do mercado, que afastou gigantes de setores tradicionais como a Havan (de Luciano Hang) e Caixa Seguridade, que resolveram deixar a oferta para depois, já que teriam dificuldade em precificar suas ofertas ao preço desejado, segundo fontes próximas às operações. Outros que estavam na fila e suspenderam ofertas são o banco BR Partners e a Compass, controlada da Cosan.

“O mundo está em plena transformação, com a digitalização do mundo real. As empresas dessa nova economia têm enorme potencial de crescimento e veremos cada vez mais representantes na Bolsa”, afirma o diretor de operações da gestora de investimentos em venture capital KPTL (lê-se Capital, em inglês), Gustavo Junqueira.

Estreias

A onda dessas novatas na Bolsa também testará o entendimento dos investidores locais para as histórias dessas empresa que, no geral, têm receitas ainda pequenas, mas que crescem em ritmo acelerado, e muitas operam no prejuízo. A Méliuz, uma investida do tradicional fundo de venture capital Monashees, reportou no primeiro semestre receita líquida de R$ 55,4 milhões, aumento de 61% ante igual período do ano passado. O resultado líquido ficou no azul, com lucro de R$ 12,7 milhões – foi R$ 1,6 milhão na primeira metade de 2019.

A Enjoei.com, conhecida por ser uma espécie de brechó online que ganhou popularidade ao atrair “famosos” a abrirem lojinhas no site, também é uma investida da Monashees. A companhia reportou, de janeiro a junho, receita líquida de R$ 28,6 milhões e prejuízo líquido de R$ 4,1 milhões.

Precificação

“As empresas de tecnologia são precificadas de forma diferente de outras empresas e não pelo múltiplo do lucro”, diz executivo de um banco de investimento. A estreia da Enjoei.com na B3 está prevista para dia 29 e a da Méliuz e Wine para 5 e 6 de novembro.

“A economia de juros baixos para aplicações financeiras, aliada ao imenso leque de oportunidades e ao apetite a risco dos investidores, também encoraja a busca pelo financiamento via mercado de capitais. Para as startups, o financiamento através de IPO mostra-se mais atraente que o empréstimo bancário puro e simples, principalmente pela compreensível inexistência de track-record dessas empresas no mercado financeiro”, afirma o sócio do Bocater Advogados, José Luiz Braga.

Em fevereiro, a empresa de TI Locaweb, que fez um IPO na B3 de R$ 1,4 bilhão, ajudou a quebrar o estigma de que empresas de tecnologia não eram bem avaliadas se fizessem oferta local. A empresa estreou com valor de mercado de R$ 2,6 bilhões, um múltiplo de mais de 30 vezes o lucro projetado para este ano, atraindo até fundos gringos especializados em tecnologia.

Na época, a leitura foi de que o IP O quebrou a tese de que esses investidores não compram diretamente no mercado brasileiro e ajudou a abrir a porta para outras empresas de tecnologia optarem pela oferta local. A busca dos investidores pelo papel seguiu alta após seu debute na B3: em cerca de oito meses a ação da Locaweb deu salto de 265%.

Na B3, o número de representantes do setor de tecnologia ainda é baixo: além da Locaweb há poucas do setor listadas (Totvs, Linx, Sinqia e B2W). Magazine Luiza já é considerada também uma empresa tech, após sua transformação digital. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?