Negócios

Startup de ex-sócios da Grow recebe investimento milionário

Crédito: Reprodução/Dolado

A startup oferece uma plataforma de vendas online para pequenos comerciantes (Crédito: Reprodução/Dolado)

A startup Dolado, que apoia pequenos lojistas de bairro para montar lojas online, fundada em julho deste ano, anunciou nesta quarta-feira (9), o recebimento de um investimento de US$ 2,2 milhões pelo fundo americano Valor Capital Group. Além disso, participaram da rodada os fundos GFC e Norte Capital, bem como os investidores-anjo iFood, Stone e Olist. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os empreendedores do negócio são Guilherme Freire e Marcelo Loureiro, fundadores da startup de patinetes elétricos Ride, que originou a startup Grow de mobilidade.

+ BRF anuncia investimento de R$ 55 bi em 10 anos
+ Startup de educação levantaram US$ 175 milhões em investimento

A Dolado oferece uma plataforma de vendas online aos comerciantes, com uma lista de produtos, um sistema de pagamentos e entrega. A plataforma da Dolado é gratuita para pequenos negócios. A startup fatura indicando parceiros comerciais para seus clientes, como empresas de pagamentos ou antecipação de recebíveis.



Os consumidores, por sua vez, podem usar o aplicativo da startup para receber links do lojista ou prestador de serviço via WhatsApp.

Atualmente, a Dolado tem cerca de 3 mil lojistas que utilizam seu produto, nas regiões da zona Leste de São Paulo e nas cidades de Cubatão (SP), Campos dos Goytacazes (RJ) e Cachoeiro do Itapemirim (ES).

Com o investimento captado, a empresa pretende, em 2021, iniciar as plataformas de gestão e finanças e ampliar o quadro de funcionários. Atualmente, 46 colaboradores trabalham na startup. A empresa pretende ampliar, ainda, sua área de atuação para outras regiões, futuramente.

O que aconteceu com a Grow?

O controle acionário da startup de patinetes elétricos Grow foi adquirido, em março de 2020, pelo fundo latino Mountain Nazca, dono de marcas como Peixe Urbano e Groupon na região. Criada em 2019 a partir de uma fusão entre a brasileira Yellow e a mexicana Grin, a companhia de mobilidade passava por uma fase difícil, com falta de capital e problemas de governança.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel