Economia

Stablecoins têm futuro incerto após crise das criptomoedas

Stablecoins têm futuro incerto após crise das criptomoedas

Stablecoins têm futuro incerto após crise das criptomoedas



Por Medha Singh e Lisa Pauline Mattackal e Alun John

(Reuters) – As stablecoins tether, USDC e outras perderam a indexação ao dólar na semana passada em um caos que abalou a fé nessas moedas projetadas para evitar a volatilidade das criptomoedas.

As principais stablecoins oscilaram entre cerca de 0,95 e 1,02 dólar na semana passada, segundo o provedor de dados Coinmarketcap, após manter indexação dentro de um centavo.

Preços das criptomoedas se movem em conjunto com mercados tradicionais



Representantes de 44 países se encontram em El Salvador para discutir bitcoin

Stablecoins são atrelados ao valor de ativos convencionais, como o dólar, para aumentar a confiança e são o principal meio para mover fundos entre criptomoedas ou em dinheiro normal.

Não é a primeira vez que isso acontece. Tanto o tether quanto o USDC sofreram crises menores nos últimos anos, às vezes subindo para 1,01 dólar em 2021 e caindo para cerca de 0,97 dólar em 2020, de acordo com a Coinmarketcap.


“Do jeito que as coisas estão, as stablecoins são muito pouco reguladas, o que é estranho, porque se você quebrar a forma como uma stablecoin centralizada funciona, é basicamente o mesmo que um depósito bancário”, disse Hagen Rooke, sócio de regulação financeira da escritório de advocacia Reed Smith.

Os problemas da TerraUSD contribuíram para uma queda nos mercados de criptomoedas, que viu mais de 357 bilhões de dólares ou 21,7% da capitalização de mercado de ativos digitais serem eliminados, segundo pesquisa da exchange Kraken.

O valor de mercado do tether caiu de 83 bilhões para 75,6 bilhões de dólares na segunda-feira passada, antes da dissociação do dólar, enquanto o do USDC subiu de 48 bilhões para 51 bilhões de dólares, segundo a Coinmarketcap.

“Há mais confiança com o USDC por causa das instituições que mantêm reservas do USDC para eles, como a BlackRock, por exemplo”, disse Marcus Sotiriou, analista da corretora de ativos digitais GlobalBlock, com sede no Reino Unido.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4G11T-BASEIMAGE