Economia

S&P: endividamento geral do governo do Brasil deve avançar a 61% do PIB em 2019

A S&P Global Ratings afirma que o endividamento do Brasil deve continuar a crescer entre 2020 e 2022, apesar de déficits fiscais menores. A agência projeta que a dívida geral do governo, descontando-se ativos líquidos, alcance 61% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 57% em 2018. A aceleração nas transferências dos bancos públicos para o Tesouro, porém, poderiam melhorar essa relação, aponta a agência em comunicado.

A agência diz que os governos estaduais e municipais enfrentam desafios orçamentários similares aos do federal, o que reduz a capacidade de gastos com infraestrutura e serviços básicos. A S&P prevê alguns avanços em reformas previdenciárias em administrações locais em 2020, mas pondera que esse progresso deve ser atrapalhado por considerações políticas, em ano de eleições municipais.

O Brasil ainda recebe um “fluxo forte de investimento estrangeiro”, de cerca de 4% de seu PIB, nota a S&P em seu comunicado, no qual reafirmou o rating BB- do País, mas alterou a perspectiva de estável para positiva.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?