Sou consórcio, mas pode chamar de investimento

Sou consórcio, mas pode chamar de investimento

Comprar cotas de consórcio, pagar parcelas durante anos e rezar todos os dias para ser contemplado parece uma prática ultrapassada para adquirir um bem. Mas, curiosamente, o setor está mais vivo do que nunca – e com vigor. Pelas contas da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), mesmo com a crise causada pela pandemia, as vendas alcançaram R$ 61,2 bilhões no primeiro semestre, mesmo valor contabilizado na primeira metade de 2019. O ano deve fechar com alta de 10% a 12%, com a reação da economia no último trimestre. Qual o segredo? Se comportar como um investimento, segundo Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da paranaense Ademilar, maior administradora independente de consórcios no País. “Mesmo com Selic baixa, os financiamentos imobiliários variam de 6% a 8% anuais. Com consórcio, o custo é de 1,2% ao ano. Tem como comparar?”, disse. Com vendas de R$ 500 milhões apenas em junho (recorde histórico) e R$ 5 bilhões em créditos comercializados neste ano, a empresa está partindo para o campo, em busca de diversificação. A Ademilar está fundindo suas operações com a Conseg, especializada em consórcio para o agronegócio. Com a união, a nova empresa, Ademicon, vai chegar a R$ 13 bilhões em ativos comercializados. “Quem investe para ter um retorno de 2% ao ano passou a enxergar o consórcio como excelente investimento. Metade de nossos clientes em carteira hoje é de investidor”, afirmou Tatiana.

(Nota publicada na edição 1186 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

A era da resiliência

Estudo da Fundação Dom Cabral e WayCarbon, especializada em projetos de baixo carbono, avalia impacto da pandemia nos negócios. Quem participou? AES Tietê , Ambev, Ecorodovias, EDP, Itaú, Microsoft, MRV, Natura, Telefônica e Tigre. Objetivo Mensurar as transformações causadas pela pandemia no meio corporativo. Principais constatações 1. Liquefação das fronteiras As empresas estão substituindo uma […]

Construção em alta

Braço de construção civil do Grupo Rodobens, a construtora e incorporadora RNI registrou um salto de 220% no último trimestre do ano passado e com vendas gerais de R$ 271 milhões. A empresa também atingiu R$ 6,8 bilhões em terrenos para novas construções (landbanking). Segundo Carlos Bianconi, CEO da RNI, o programa Casa Verde e […]

Contratam-se grávidas

A representatividade feminina está em alta no mercado de trabalho. Na Qualicorp, maior administradora de planos de saúde do Brasil, o [...]

A força do plástico verde

A Activas, uma das maiores distribuidoras de plásticos do Brasil, com receita de R$ 700 milhões no ano passado, fechou parceria com a americana Earth Renewable Technologies (ERT) para oferecer no País matérias-primas ou resinas biodegradáveis. A Activas terá a exclusividade no Brasil de distribuição de plásticos da ERT, feitos 100% a partir de fontes […]

Da nuvem para a bolsa

O forte movimento de migração de sistemas empresariais para a nuvem impulsionou o crescimento da V8 Consulting, especializada em [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.