Sou consórcio, mas pode chamar de investimento

Sou consórcio, mas pode chamar de investimento

Comprar cotas de consórcio, pagar parcelas durante anos e rezar todos os dias para ser contemplado parece uma prática ultrapassada para adquirir um bem. Mas, curiosamente, o setor está mais vivo do que nunca – e com vigor. Pelas contas da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), mesmo com a crise causada pela pandemia, as vendas alcançaram R$ 61,2 bilhões no primeiro semestre, mesmo valor contabilizado na primeira metade de 2019. O ano deve fechar com alta de 10% a 12%, com a reação da economia no último trimestre. Qual o segredo? Se comportar como um investimento, segundo Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da paranaense Ademilar, maior administradora independente de consórcios no País. “Mesmo com Selic baixa, os financiamentos imobiliários variam de 6% a 8% anuais. Com consórcio, o custo é de 1,2% ao ano. Tem como comparar?”, disse. Com vendas de R$ 500 milhões apenas em junho (recorde histórico) e R$ 5 bilhões em créditos comercializados neste ano, a empresa está partindo para o campo, em busca de diversificação. A Ademilar está fundindo suas operações com a Conseg, especializada em consórcio para o agronegócio. Com a união, a nova empresa, Ademicon, vai chegar a R$ 13 bilhões em ativos comercializados. “Quem investe para ter um retorno de 2% ao ano passou a enxergar o consórcio como excelente investimento. Metade de nossos clientes em carteira hoje é de investidor”, afirmou Tatiana.

(Nota publicada na edição 1186 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Parece um carro, mas é um smartphone

A montadora Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e a operadora de telefonia TIM estão finalizando os últimos detalhes de uma parceria para [...]

Rhodia ensina como se faz

A operação brasileira da Rhodia se tornou uma das principais plataformas de exportação de tecidos antiCovid-19 no mundo. Desenvolvida em tempo recorde pela companhia no País, a tecnologia Amni Vírus-Bac OFF está ajudando a empresa, braço do Grupo Solvay, a conquistar mais espaço no mercado europeu, segundo o vice-presidente global de Fibras e Poliamida, Antonio […]

A contenção do IGP-M

O Índice Geral de Preço Mercado (IGP-M), que acumula alta de mais de 19% em 12 meses, segue em disparada e preocupa quem mora em casa [...]

Encontre-me se puder

Quando o assunto é gestão de pessoas e de empresas, um serviço que cresce como nunca durante o home office é a geolocalização de [...]

99 pega carona nas Fintechs

Um dos mais conhecidos aplicativos de transporte do País, a 99 vai pegar carona na digitalização dos meios de pagamento para também [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.