Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores
Depois de ter tirado a Infraero de um prejuízo de R$ 221 milhões, Antônio Claret traça um plano ousado para fazer a estatal: a abertura do capital

Entrevista

Antônio Claret, presidente da Infraero

Sou a favor de abrir o capital da Infraero

Thiago Bernardes

Sou a favor de abrir o capital da Infraero

Luana Meneghetti
Edição 09/11/2018 - nº 1095

A concessão de aeroportos com o objetivo de melhorar a infraestrutura aérea do País esbarrou em três problemas: algumas das empresas concorrentes não tinham expersite no ramo; outras foram envolvidas nas investigações da Lava Jato; e houve ainda desinteresse dos investidores internacionais em virtude de insegurança jurídica. Tudo isso pode mudar em breve. Depois de ter tirado a Infraero de um prejuízo de R$ 221 milhões e levar a empresa a um lucro operacional de R$ 505 milhões em dois anos, Antônio Claret traça um plano ousado para fazer a estatal decolar de vez: a abertura do capital. A operação pode gerar uma receita de R$ 8 bilhões. Na entrevista a seguir, Claret diz como a Infraero poderá enfim entrar em velocidade de cruzeiro.

DINHEIRO – A Infraero foi durante anos a única empresa a investir no setor de aviação no Brasil. Por que o País só foi se preocupar em diversificar as fontes de investimento em 2012?

ANTÔNIO CLARET – Nós passamos por uma fase áurea no País em 2009/2010, mas, de repente, a nossa economia desacelerou e passamos a ter problemas de déficit público e de investimento. Foi nesse momento que o governo começou a se ver sem infraestrutura para receber os turistas que viriam para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016. A expectativa era que, ao iniciar esse processo de privatização, nós teríamos um upgrade na gestão aeroportuária e criaríamos concorrência, o que é muito positivo. A Infraero, até então, dominava o mercado e só ela tinha a chave para a gestão aeroportuária no Brasil. Basicamente, foi por isso que aconteceu. Agora o resultado disso é uma outra coisa….

DINHEIRO – A privatização dos aeroportos é a melhor saída para o setor? Por que ela demorou tanto para ocorrer?

CLARET – Na minha visão, o próprio governo não tinha certeza de qual era o modelo de privatização mais adequado para a situação dos aeroportos. No modelo definido na concessão dos cinco primeiros aeroportos – terminais de Brasília, Guarulhos, Viracopos, Galeão e Confins – , a Infraero entrou com participação de 49%. E isso foi péssimo. Embora não assuma a gestão, a gente assume os prejuízos. Temos apenas cadeira no conselho. No segundo modelo, dos outros quatro aeroportos – Salvador, Fortaleza, Florianópolis e Porto Alegre –, a Infraero já foi deixada de fora, o que foi muito melhor. Agora o governo está discutindo as concessões em lotes com um aeroporto grande carregando outros menores. O governo já tomou várias medidas, mas ainda não chegou ao ideal na perspectiva da Infraero. Na minha visão, o melhor seria privatizar toda a Infraero.

DINHEIRO – E como seria essa privatização?

CLARET – Nós faríamos uma privatização de toda a rede Infraero, ou seja, os 55 aeroportos restantes, por meio da abertura de capital via IPO ou fusão e aquisição (M&A). O que eu defendo é um modelo semelhante ao que foi feito no Aena (Aeropuertos Españoles y Navegación Aérea), empresa pública de gestão aeroportuária da Espanha. O Aena abriu capital de 49% e ficou com 51% na mão. A Espanha passava por um momento ruim naquela época, 2014, e muito parecido ao que nós estávamos passando. A Aena que era pior que a Infraero hoje é referência mundial no setor com alto valor de mercado. Se ela for privatizada hoje em sua totalidade vai trazer uma entrada de capital muito maior do que se tivesse feito tudo de uma vez. Penso que esse é o melhor modelo para seguir.

DINHEIRO – Jair Bolsonaro se elegeu com um discurso pró-privatização. O senhor prevê alguma mudança drástica no setor?

CLARET – Eu não conheço os planos do presidente eleito, mas pelo o que a gente percebe será uma gestão voltada para o resultado. O que, para nós, será excelente. A gente entende isso como uma grande oportunidade para a Infraero e também para todas as outras estatais. A possibilidade de privatização me parece bem clara, mas também me parece bem claro que isso não será feito de forma intempestiva. Minha expectativa é que novos e bons tempos virão.

DINHEIRO – É possível imaginar um programa radical de privatizações?

CLARET – O Brasil não tem outra saída a não ser caminhar para que as estatais se aproximem da iniciativa privada. Com o grande déficit público que temos, a prioridade do governo deve ser nas áreas da saúde, educação e segurança. Um dos grandes problemas do País é o de infraestrutura. E isso só se resolve com muito recurso, o que, na atual conjuntura, só a privatização pode oferecer. Mas é claro que existem algumas estatais que são estratégicas para o País e elas precisam ser verificadas de forma mais cuidadosa. No caso da Infraero, eu entendo que o melhor, no momento, seria uma privatização parcial de 49%. A Infraero é responsável pela integração nacional e, se você privatiza todo o sistema, os aeroportos menores tendem a ser colocados em situação de risco.

“A gente entende que o novo governo será uma grande oportunidade para a Infraero e para todas as outras estatais”O discurso liberal do presidente eleito Jair Bolsonaro aumenta as expectativas de privatização da Infraero (Crédito:Evaristo Sa)

DINHEIRO – Jair Bolsonaro também fala no fim de algumas estatais. A Infraero corre risco?

CLARET – É cedo demais para falar isso, mas não o vejo trabalhando no sentido de acabar com as estatais. Existe a tendência, sim, de aproximar da iniciativa privada. Em alguns casos acredito que veremos privatizações. Mas o importante é que isso seja feito de forma a não abrir mão do valor agregado que elas geram para o País. A Infraero é importante para alavancar o turismo brasileiro. E, para isso, é fundamental que ela não esteja totalmente exposta ao capital estrangeiro. Nós temos que ter uma empresa-espelho. Mas eu só defendo a existência da Infraero como uma empresa top de linha, de alto padrão.

DINHEIRO – O Programa de Demissão Voluntária implementado em 2012 atingiu as metas? Quantos já foram desligados?

CLARET – Nós implementamos várias ações para reduzir o quadro de funcionários, que estava em torno de 14 mil, e isso foi feito por diversos motivos. Um deles foi que, na concessão dos cinco primeiros aeroportos, as empresas não tinham a obrigação de manter os funcionários. E eles vieram para a Infraero. Então implantamos um programa de demissão voluntária em 2012, mas também passamos a transferir esse pessoal para outros órgãos federais. Também diminuímos a ponta da pirâmide, eliminando muitas estruturas de chefia. Somado esse esforço às saídas naturais (aposentadorias), conseguimos chegar a um número de 7.950 funcionários. Só neste ano reduzimos em R$ 200 milhões o nosso custo anual de pessoal.

DINHEIRO – Há necessidade de novas reduções no quadro de funcionários?

CLARET – Sim, temos outras ações em andamento. Uma delas é tirar da nossa empresa a navegação aérea. A navegação aérea é uma que nos principais benchmarks do mundo não faz parte da gestão aeroportuária, mas sim da aeronáutica. Nós já conversamos com a aeronáutica e eles estão de acordo. Agora estamos alinhando com o governo. Isso vai tirar em torno de 1,8 mil pessoas daqui. Significa que a gente vai chegar a um número próximo a 6 mil funcionários. Paralelamente, estamos em um processo de automatização e uso de inteligência artificial na empresa. Nosso objetivo é ficar com um algo em torno de 4 mil funcionários.

DINHEIRO – Muitas das concessões iniciais dos aeroportos tiveram problemas. Como evitar erros daqui para frente?

CLARET – Muitas das empresas não tinham expertise na área de gestão aeroportuária. Isso não significa que elas não poderiam tocar para frente um projeto bom, mas tivemos problemas. Viracopos é um desses casos. A concessionária entrou com pedido de recuperação judicial. A devolução está sendo avaliada pelo governo e pela Anac. Agora os aeroportos estão sendo concedidos para empresas de gestão aeroportuárias internacionais e sem a participação da Infraero. É um modelo bem melhor que os anteriores.

DINHEIRO – E essas concessões onde a Infraero tem participação de 49%? A intenção é a desistência?

CLARET – Eu, se pudesse, desistiria. Mas já fizemos um investimento muito grande. Porque quando a gente olha os números da estatal, vemos um resultado ruim que não tem a ver com a Infraero. Nossa operação é altamente positiva, mas a influência desses aeroportos está destruindo o nosso resultado contábil. Estamos discutindo com o governo como resolver essa herança, mas ainda não temos uma saída muito clara.

DINHEIRO – Algumas empresas desistiram da concessão porque o investimento no aeroporto não valeria o ganho. O Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, em Natal (RN), foi um deles. Como isso tem afetado as negociações para as novas concessões?

CLARET – O que atrapalhava um pouco algumas concessões era que o investidor estrangeiro só queria vir para o Brasil se tivesse alguma segurança jurídica. Eram problemas mais de ordem geral e não dos aeroportos. Pela minha visão isso vai ser resolvido pelo novo governo.

DINHEIRO – A recessão e a operação Lava Jato, que atingiu diversas empresas envolvidas nas concessões, fizeram com que o modelo se tornasse mais rápido e eficaz?

LISBOA – Claro que sim. Mas depois que a questão foi tratada pela Lava Jato não tivemos prejuízos nas concessões e elas foram conduzidas da forma mais adequada possível. Nas novas não temos notícia de problemas e nem de envolvidos na operação. E nas antigas, a Odebrecht, por exemplo, já está fora da gestão do Galeão, no Rio de Janeiro. Existem empresas envolvidas na Lava Jato que a ainda continuam nos aeroportos, mas acredito que logo vão ter que prestar contas para a Justiça.

“O que eu defendo é um modelo semelhante ao que foi feito no Espanha, com uma privatização parcial no primeiro momento”A privatização de 49% da Aena, a empresa pública de gestão aeroportuária espanhola, alavancou seu valor de mercado (Crédito:Miguel Rodriguez)

DINHEIRO – O governo autorizou a concessão de aeroportos estratégicos e lucrativos para a Infraero, como o de Guarulhos, em São Paulo. Isso afetou a rentabilidade da Infraero?

CLARET – Claro que afetou. Com as concessões nós já perdemos 62% (R$ 2,8 bilhões) da nossa receita. E, além de termos perdido receita, ficamos com o custo de pessoal. Era uma operação gigante que só um super-herói podia equacionar. Mas, mesmo assim, conseguimos deixar a empresa em pé e virar o resultado operacional de um prejuízo de R$ 221,7 milhões em 2015 para R$ 505,4 milhões em 2017.

DINHEIRO – Então a empresa é sustentável financeiramente?

CLARET – Sim, atualmente ela é sustentável. Ela não tem dependência do governo. A Infraero já paga os salários com o que produz. A gente ainda depende do governo para fazer investimentos grandes, mas já somos capazes de financiar os pequenos. Com toda a reestruturação (diminuição de pessoal e aumento da área comercial), conseguimos construir um caixa de R$ 850 milhões.

DINHEIRO – O sr. defende a exploração comercial dos aeroportos para incrementar eceitas. Como a estatal tem liderado esse plano para atrair o comercio para os aeroportos?

CLARET – Com essa perda de 62% da nossa receita devido às concessões, a Infraero precisava se reinventar. Além de várias mudanças internas, também implementamos a área comercial. E descobrimos que temos grandes shoppings em nossas mãos. No aeroporto de Congonhas, por exemplo, disponibilizamos cerca de 8 mil metros quadrados ociosos no terminal. Queremos chegar a uma ocupação de áreas comerciais de 6 milhões de m² em toda a rede de aeroporto.

DINHEIRO – Quanto isso incrementa na receita da estatal?

CLARET – Este ano devemos chegar a uma receita de R$ 1,2 bilhão gerada pela área comercial. Nossa meta é alavancar ainda mais esse resultado com novos negócios, como um espaço para coworking e uma Leroy Merlin na parte externa do aeroporto de Congonhas.

DINHEIRO – Como o sr. avalia o desenvolvimento da aviação regional?

CLARET – A aviação regional é uma questão da Secretaria de Aviação Civil. Existiu e ainda existe um movimento no governo para alavancar isso, mas faltou recurso. Mas o governo está levando isso muito a sério. Dentro do processo de integração nacional, esses aeroportos são fundamentais porque fazem os links com os aeroportos maiores. Eu brinco que se eles quiserem resolver a aviação regional é só passar a gestão para a Infraero…

DINHEIRO – A criação da autoridade aeroportuária tem ajudado a resolver os problemas de gestão dos aeroportos?

CLARET – Ela teve um papel importante durante a fase inicial da concessão dos aeroportos porque era responsável por fazer esse link entre as empresas e os órgãos do governo. Hoje isso não é mais necessário.

DINHEIRO – A Infraero superou dois anos de resultados negativos para ser premiada como melhor Empresa Pública da Década. O que permitiu a volta por cima?

CLARET – Primeiro, a governança. Com a governança nós conseguimos desenvolver um plano estratégico adequado. Nesse plano, tomamos medidas de redução de gordura, ou seja, acabamos com todo tipo de exagero na estatal e passamos a trabalhar as reduções sistêmicas do pessoal. Além disso, fizemos um processo de modernização e alavancamos a área comercial. Isso foi fundamental para virar nosso resultado. Nós, inclusive, estamos sendo reconhecidos por esse avanço. Esse prêmio tem a ver com essa percepção da iniciativa privada de que nós fizemos muito em pouco tempo. Com o prêmio somos reconhecidos como a empresa que mais evoluiu em termos de governança entre todas as estatais brasileiras.

DINHEIRO – Acredita que continuará no cargo?

CLARET – Isso é uma decisão do presidente eleito. Se for chamado, vou avaliar. Tenho orgulho do que eu e minha equipe fizemos aqui. Sei que trouxemos resultados.

  • Dólar Comercial
    R$3,83200 +1,99%
  • Euro Comercial
    R$4,31400 +2,14%
  • Dow Jones
    25.286,50 -0,40%
  • Nasdaq
    7.200,8800 0,00%
  • Londres
    7.021,08 -0,46%
  • Frankfurt
    11.393,50 -0,69%
  • Paris
    5.060,18 -0,82%
  • Madrid
    9.090,70 -0,60%
  • Hong Kong
    25.654,40 -0,54%
  • CDI Anual
    6,40% 0,00%

Novo governo

Bolsonaro vai manter Trabalho com status de Ministério


Tesouro alerta para risco de Estados quebrarem com alta de gastos de pessoal

Contas públicas

Tesouro alerta para risco de Estados quebrarem com alta de gastos de pessoal

Imposto de importação aumenta custos de produtos nacionais, diz Ipea

barreiras tarifárias

Imposto de importação aumenta custos de produtos nacionais, diz Ipea

Relatório afirma que oferta global de petróleo tem superado a demanda

produção

Relatório afirma que oferta global de petróleo tem superado a demanda

Eunício sinaliza brecha para votar reforma da Previdência neste ano

imbróglio

Eunício sinaliza brecha para votar reforma da Previdência neste ano

Crise acelera negócios internacionais de empresas brasileiras

mercado

Crise acelera negócios internacionais de empresas brasileiras


Negócios

Robôs começam a ser usados para realizar serviço de quarto em Chicago

Mercado Digital

Mercado Digital

Robôs começam a ser usados para realizar serviço de quarto em Chicago

Os robôs de pouco menos de um metro são responsáveis por levar para o quarto dos hóspedes desde as mais diversas comidas presentes no cardápio como toalhas e roupas de cama

O restauranteur que trouxe sua bagagem do mercado financeiro para a gastronomia

gestão

O restauranteur que trouxe sua bagagem do mercado financeiro para a gastronomia

Após 23 anos trabalhando no mercado financeiro e de telecomunicações, Milton Freitas mudou de ramo. Foi para a gastronomia e se tornou um dos principais restaurateur de São Paulo aplicando as lições do mundo corporativo em suas casas

iFood recebe aporte de US$ 500 milhões para expandir operações

delivery

iFood recebe aporte de US$ 500 milhões para expandir operações

Investimento da Movile é o maior da América Latina; nos últimos 12 meses, o serviço de entrega foi utilizado por mais de 9 milhões de pessoas

As 10 melhores companhias aéreas para voar em 2019

AVIAÇÃO

As 10 melhores companhias aéreas para voar em 2019

Site especializado Airline Ratings elencou as 10 melhores empresas com base em diversos critérios, como avaliações de passageiros, lucratividade, classificação de investimento, ofertas de produtos


Internacional


Economia japonesa se contrai afetada por desastres naturais

ásia

Economia japonesa se contrai afetada por desastres naturais

ONU faz apelo para que Estados resolvam questão de apátridas

Até 2024

Até 2024

ONU faz apelo para que Estados resolvam questão de apátridas

Nasa pretende mandar astronautas a Marte em 25 anos

tecnologia

tecnologia

Nasa pretende mandar astronautas a Marte em 25 anos

China rejeita rumores de centros de internação de muçulmanos

Ásia

Ásia

China rejeita rumores de centros de internação de muçulmanos


Entrevista

Antônio Claret, presidente da infraero

Antônio Claret, presidente da infraero

"Sou a favor de abrir o capital da Infraero"

Depois de ter tirado a Infraero de um prejuízo de R$ 221 milhões e levar a um lucro operacional de R$ 505 milhões, Antônio Claret projeta capitação de R$ 8 bilhões com abertura de capital


Economia


“Sem a Previdência, não tem o resto”, afirma Maílson da Nobrega

entrevista

“Sem a Previdência, não tem o resto”, afirma Maílson da Nobrega

O economista e ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega falou à DINHEIRO após apresentação a clientes da gestora de recursos Reag, na terça-feira 6:

Trump terá de enfrentar a maioria da oposição na Câmara dos Deputados

Desafio

Trump terá de enfrentar a maioria da oposição na Câmara dos Deputados

Pela primeira vez em seu mandato, o presidente dos Estados Unidos terá de lidar com uma maioria da oposição na Câmara dos Deputados para aprovar temas polêmicos, como imigração e saúde pública


Negócios

Carros elétricos: a bilionária rota do futuro

Inovação

Inovação

Carros elétricos: a bilionária rota do futuro

As montadoras aceleram lançamentos de carros elétricos, enquanto empresas de energia, redes de postos e até uma hidrelétrica estruturam projetos para a nova revolução da mobilidade

Queda de vendas da Ambev será momentânea ou o fim de uma era?

Água no chope

Queda de vendas da Ambev será momentânea ou o fim de uma era?

O resultado do último trimestre da Ambev, líder do mercado cervejeiro, preocupa o mercado. A queda de vendas da empresa-modelo do capitalismo brasileiro será momentânea ou prenuncia o fim de uma era?

Editoras tentam evitar a derrocada das grandes livrarias

mercado editorial

Editoras tentam evitar a derrocada das grandes livrarias

Atoladas em dívidas, a Livraria Cultura e a Saraiva pressionam o mercado de livros. O futuro das editoras, que dependem das duas grandes redes, é incerto

Empresários brasileiros e peruanos discutem cooperação comercial

Aproximação

Empresários brasileiros e peruanos discutem cooperação comercial

Encontro de autoridades e empresários brasileiros e peruanos em Cusco reafirma a importância da cooperação comercial entre os dois Países


Estilo

R$ 1 bilhão para as férias

rio quente resorts

rio quente resorts

R$ 1 bilhão para as férias

Após a aquisição do Costa do Sauípe Resort no início do ano, o Grupo Aviva Algar, proprietário do Rio Quente Resorts, finca sua bandeira na hospedagem de entretenimento e quer chegar ao seu primeiro R$ 1 bilhão


Finanças


Ganho da Petrobras sobe 2.400% no terceiro trimestre

dinheiro em ação

Ganho da Petrobras sobe 2.400% no terceiro trimestre

A boa oportunidade dos fundos imobiliários

investidores

A boa oportunidade dos fundos imobiliários

Aquecimento da economia e oferta reprimida nos últimos três anos devem gerar boas oportunidades nos fundos imobiliários. Saiba os que os especialistas recomendam


Mercado Digital

Valeu. Foi bom. Adeus!

tensão

tensão

Valeu. Foi bom. Adeus!

Saída dos fundadores do WhatsApp, do Instagram e da Oculus evidencia conflitos internos no Facebook e coloca em xeque o romântico discurso da empresa de conectar as pessoas


Colunas


Os investimentos após as eleições

editorial

Os investimentos após as eleições

Portas abertas para o setor imobiliário

moeda forte

Portas abertas para o setor imobiliário

Diamante de Marilyn vai à leilão

cobiça

Diamante de Marilyn vai à leilão

Competição americana

dinheiro & tecnologia

Competição americana

A natureza selvagem e preservada

sustentabilidade

A natureza selvagem e preservada


Artigo

A Constituição e a garantia das liberdades

por celso masson

por celso masson

A Constituição e a garantia das liberdades

Na sessão da Câmara dos Deputados que celebrou o trigésimo aniversário da “Constituição Cidadã”, Raquel Dodge e Bolsonaro reafirmaram a importância de preservar as garantias fundamentais expressas na Carta

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.