Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Sonho do pai, obsessão do filho

Sonho do pai, obsessão do filho

O empresário Antonio Dias, herdeiro e presidente do grupo Royal Palm Hotels & Resorts, acaba de estabelecer uma meta pouco modesta para seus negócios: se tornar o maior operador hoteleiro do País nos próximos dez anos. Se for alcançada, a missão representará a realização do sonho de seu pai, o fundador Armindo Dias, morto em maio do ano passado aos 86 anos. A estratégia será, basicamente, diversificar. “O plano é aprimorar nossas operações atuais, especialmente em lazer, mas fortalecer os negócios nos segmentos corporativos e de convenções”, afirma Dias. Há duas semanas, o grupo abriu também o Hotel Contemporâneo, sua primeira unidade econômica em Campinas, no interior paulista, considerada “a peça que faltava na engrenagem do crescimento”. Classificado como chic & basic, ele faz parte de um plano de investimentos que consumiu R$ 500 milhões entre 2015 e 2018. O Contemporâneo foi construído com a participação de 230 investidores, que pagaram entre R$ 400 mil e R$ 500 mil para serem donos de quartos.

Ao lado do hotel será construído um mall e três torres de escritórios, com recursos de investidores da cidade. “Com várias frentes de negócios, temos capacidade de absorver as oscilações de ocupação sem canibalizar nenhuma de nossas operações. Quando os resorts estiverem com menos hóspedes, podemos suavizar a retração da demanda ampliando o número de eventos corporativos, congressos ou hospedagem de negócios”, explica. Para 2019, Dias espera um faturamento de R$ 200 milhões, bem acima dos R$ 140 milhões contabilizados no ano passado. A meta para 2021 é superar R$ 300 milhões, com a abertura de novas unidades de lazer e eventos, a começar pelo litoral paulista. “Estamos determinados a nos tornar o maior operador hoteleiro do País, ter a marca de hotel mais admirada e ser referência em serviços e inovação em hotelaria.”

(Nota publicada na Edição 1111 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim e Felipe Mendes)


Mais posts

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]

“Demos uma jamanta para Bolsonaro dirigir, mas ele não tem habilidade para isso”

Antonio Setin, presidente da incorporadora Setin, se diz desapontado com o desempenho do governo do presidente Jair Bolsonaro. Para [...]

Aos 100 anos, Hilton vai apostar nos latinos

Prestes a celebrar o seu aniversário de 100 anos, a rede americana de hotéis de luxo vai apostar na expansão dos negócios na América do [...]

Andorinha voa mais alto

Pela primeira vez na história, o Azeite Andorinha, de Portugal, é líder no mercado brasileiro. Entre 2016 e 2018, as vendas cresceram [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.