Giro

Soja fermentada, comum no Japão, pode inibir coronavírus, diz estudo

Crédito: Reprodução/Pexels

Uma vez que os componentes sejam identificados e suas funções verificadas, os pesquisadores planejam avançar para testes clínicos em modelos animais (Crédito: Reprodução/Pexels)

Já ouviu falar no natto, um tipo de soja fermentada de aparência “gosmenta”, que é muito comum no Japão? Cientistas descobriram que esse alimento pode ser um aliado no combate à covid-19.

Não é à toa que os japoneses possuem a maior expectativa de vida do planeta, com mais de 25% da população acima de 65 anos. A alimentação é a principal forma de manter o corpo saudável e o natto sempre foi considerado um alimento básico no Japão e associado à menor probabilidade de morrer de acidente vascular cerebral ou doença cardiovascular, segundo o site americano de notícias científicas EurekAlert.

+ Como a variante Delta bagunçou as suposições sobre o coronavírus

No estudo publicado dia 13 de julho na revista científica Biochemical and Biophysical Research Communications, cientistas revelam que a guloseima pegajosa e de cheiro forte pode inibir a capacidade do novo coronavírus de infectar as células humanas.



O natto é obtido pela fermentação da soja usando a bactéria Bacillus subtilis, encontrada na planta e no solo. No estudo recente, os pesquisadores prepararam dois extratos de natto, um aquecido e outro natural. Eles aplicaram os alimentos em conjuntos de células bovinas e humanas cultivadas em laboratório. Um conjunto estava infectado com SARS-CoV-2, enquanto o outro estava com BHV-1.

Quando tratados com o extrato de natto em temperatura ambiente, o SARS-CoV-2 e o BHV-1 perderam a capacidade de infectar as células. No entanto, nenhum dos vírus pareceu ser afetado pelo extrato aquecido.

“Nós descobrimos o que parece ser uma protease [proteína que metaboliza outras proteínas] no extrato de natto ‘digere’ o receptor da proteína spike [usada na infecção] no SARS-CoV-2”, comenta Mizutani, citado pelo site especialziado, observando que a protease parece se decompor no calor, perdendo a capacidade de digerir proteínas, o que não afeta o vírus.

A proteína spike fica na superfície do coronavírus e se liga a um receptor nas células hospedeiras. Com a inativação dessa proteína, o SARS-CoV-2 não pode infectar células saudáveis. Os pesquisadores descobriram um efeito semelhante no herpesvírus bovino 1.

Os cientistas perceberam o mesmo efeito na variante Alpha do novo coronavírus, revela o portal EurekAlert. Embora os resultados sejam promissores, os pesquisadores alertam que mais estudos são necessários para identificar os mecanismos moleculares responsáveis pela ação do natto. Além, disso, o estudo não fornece evidência de redução na infecção viral simplesmente pela ingestão da soja fermentada.

Uma vez que os componentes sejam identificados e suas funções verificadas, os pesquisadores planejam avançar para testes clínicos em modelos animais, informa o site americano.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago