Política

Sociedade se tornou refém de ‘milícias digitais’

Estamos nos tornando reféns de grupos de pressão que utilizam as redes sociais para pautar a opinião pública – as popularmente chamadas “milícias digitais”. A opinião é de especialistas que participaram ontem do Fórum da Liberdade 2021, evento que reúne políticos, analistas e empresários.

Um dos presentes no evento, o escritor e filósofo Luiz Felipe Pondé afirmou que o fato de sermos reféns das milícias digitais não significa, no entanto, que a nossa liberdade de expressão está completamente destruída. O professor ressaltou em sua fala o caráter mercadológico por trás desse cenário. “Essa censura que está acontecendo é como se fosse um negócio. Se eu conseguir tirar alguém de uma Universidade, sobra mais espaço para o meu grupo. Se eu cancelar alguém na mídia social, talvez os patrocinadores se afastem dessa pessoa (que foi cancelada)”, afirma o filósofo.

Também presente no evento, o sociólogo Frank Furedi chamou atenção para a intensa polarização nas redes. “As pessoas são encorajadas a não conversar, falar apenas com aqueles que são semelhantes.” O cientista político Jason Brennan foi na mesma linha: “Infelizmente, a internet é dominada por um lado contra o outro. Isso aumenta a polarização e a censura”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel