Giro

Sobe para 7 o número de mortos após deslizamento no Recife

Subiu para sete o número de mortos – entre eles um bebê de 2 meses e uma criança de 8 anos – após o deslizamento de uma barreira e a destruição de duas residências no bairro de Dois Unidos, na zona norte do Recife, em Pernambuco, na madrugada desta terça-feira, 24. Outras três pessoas ficaram feridas.

O deslizamento aconteceu por volta das 2 horas, na Rua Bela Vista, no Córrego do Morcego, no subúrbio da capital pernambucana.

De acordo com o laudo preliminar da Defesa Civil municipal, o acidente foi provocado por um vazamento no cano mestre da rede do bairro. A cidade passa por um período de racionamento de água, e o abastecimento é realizado em dias específicos.

O Corpo de Bombeiros declarou que a quantidade chuva que caiu durante a madrugada, mesmo sendo forte, não seria suficiente para provocar o acidente.



No total, seis viaturas da corporação, entre elas duas de busca e salvamento e uma com cães de resgate, foram enviadas ao local para prestar atendimento.

Veja quem são as vítimas mortas após o deslizamento de barreira no Recife:

Emanuel Henrique Júnior, de 2 meses;

Daffyne Agostinho da Silva, de 8 anos;

Érica Virgínia, de 19 anos;

Emanuel Henrique de França, de 25 anos;

Lia dos Santos Oliveira, de 45 anos;

Claudia Bezerra, de 47 anos;

Lucimar Alves da Silva, de 50 anos.

Quanto às vítimas resgatadas, a lista obtida pela reportagem foi a seguinte:

C.G.S., de 43 anos – Hospital da Restauração

L.T.S.C., de 56 anos – UPA Nova Descoberta

O.S.S., de 57 anos – UPA Nova Descoberta

Casas destruídas

No acidente, a primeira casa atingida foi completamente destruída. Nela, encontrava-se O.S.S., de 57 anos, que foi encaminhado para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Nova Descoberta, bairro vizinho ao local da tragédia. Lucimar Alves da Silva, de 50, mulher de O.S.S., foi resgatada já sem vida pelos vizinhos. A neta do casal, Daffyne Agostinho da Silva, de 8, também foi encontrada morta sob os escombros.

Também estavam na casa L.T.S.C, de 56 anos, que foi encaminhado para a UPA Nova Descoberta e já recebeu alta; e C.G.S., de 43, levada ao Hospital da Restauração, com escoriações e quadro estável. C.G.S. é casada com L.T.S.C e irmã de Lucimar.

Já na segunda casa atingida pela barreira, estavam Emanuel Henrique de França, de 25 anos; Érica Virgínia, de 19; e o bebê Emanuel Henrique Júnior, de 2 meses. Os três morreram. O casal dormia com o filho no quarto, na parte de trás da residência. O cômodo foi completamente destruído com o deslizamento.

Vazamento

Segundo os moradores da região, o vazamento do cano mestre já vinha acontecendo, porém nenhuma providência havia sido tomada pela companhia de abastecimento. A barreira já estava apresentando sinais graves de infiltrações.

Representantes da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) foram ao local da tragédia para apurar as causas do acidente. O gerente de abastecimento local informou que são realizadas vistorias periódicas, com geofonamento, o que facilitaria a identificação de vazamentos ocultos nas áreas de morro da cidade.

Segundo a Compesa, qualquer alteração na rede de abastecimento é imediatamente identificada e vistoriada. Porém, o representante não soube informar quando a Rua Bela Vista passou por uma vistoria, informando que não havia ocorrência de vazamentos na região.

Técnicos foram ao local para realizar perícia e tentar identificar o possível vazamento.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel