Edição nº 1083 17.08 Ver ediçõs anteriores

Sob gestão de Abilio, BRF perde quase um Pão de Açúcar em valor de mercado

Quando assumiu a BRF, seu valor de mercado era de R$ 39,2 bilhões. Hoje, é de R$ 20,2 bilhões, pouco mais que o do Pão de Açúcar

Sob gestão de Abilio, BRF perde quase um Pão de Açúcar em valor de mercado

Fábrica da BRF em ABU DHABi: atividades nos países islâmicos podem servir como blindagem contra desdobramentos da Carne Fraca

Pode parecer coincidência, mas o fato é que, pela segunda vez consecutiva em pouco menos de um ano, a decisão sobre a permanência do empresário Abilio Diniz à frente do Conselho de Administração da BRF foi adiada pela ação da Polícia Federal. No início de 2017, desgostosos com o prejuízo de R$ 372 milhões, o primeiro na história da dona das marcas Sadia e Perdigão, seus principais acionistas (leia-se os fundos Petros, dos funcionários da Petrobras, e Previ, do Banco do Brasil), mobilizavam-se para substituir Diniz e o então CEO, Pedro Faria, quando foram atropelados pela primeira fase da chamada Operação Carne Fraca. Segundo as investigações dos federais, a BRF e sua arquirrival JBS, controladora da Seara, lideravam um vasto esquema de adulteração de carne exportada e vendida no mercado interno, graças à cumplicidade e pagamento de propinas a funcionários do Ministério da Agricultura. Para não comprometer ainda mais a saúde financeira da empresa, a troca de comando foi postergada.

Abilio
Cavaleiro solitário: Abilio Diniz era parte do plano da Tarpon para mudar a gestão da BRF. A relação com o fundo se desgastou nos últimos anos e, sem os resultados prometidos para os acionistas, ele parece estar isolado (Crédito:Pedro Dias)

Neste ano, por conta de um novo percalço no desempenho da BRF, traduzido num gigantesco prejuízo de R$ 1,1 bilhão apontado no balanço divulgado no fim de fevereiro, o descontentamento com o desempenho de Diniz, cresceu exponencialmente e sua cabeça foi pedida publicamente pela Previ e pelo Petros. Além de exigir a antecipação da assembleia de acionistas, os fundos divulgaram uma chapa para o Conselho, da qual não constava o nome do atual chairman.

Marcada para a última segunda feira, 5 de março, a assembleia teve seus objetivos abortados, pela decisão da PF de deflagrar mais uma etapa da Operação Carne Fraca, batizada de Trapaça, voltada exclusivamente para a BRF, acusada de fraudes no processo de controle de qualidade e certificação de seus produtos, com a conivência de laboratórios particulares. Para piorar, Faria, que havia sido defenestrado da presidência em dezembro passado, foi preso e teve seu escritório vasculhado pelos policiais,  Resultado: a assembleia que determinaria o desembarque de Diniz foi remarcada para o dia 26 abril.

Graças à nova blitz dos federais no setor de carnes, Diniz ganha teoricamente quase oito semanas para tentar reverter seu afastamento. Pode até acontecer, mas é praticamente uma missão impossível, mesmo para um homem com fortes conexões políticas e empresariais como ele. Para começar, a prisão de Faria, representante do fundo Tarpon, detentor de 7,3% do capital da BRF e o grande responsável pela articulação que derrubou seu antecessor no conselho, o executivo Nildemar Secches, não é exatamente um trunfo em favor do antigo dono do Grupo Pão de Açúcar, a maior rede de supermercados do País. Ao contrário: até ser afastado da função de CEO, Faria era apontado como “um ponto fora da curva” por Diniz e celebrado como o integrante mais qualificado de seu “dream team”.

Para complicar, a própria Tarpon, e outros acionistas importantes, como os ex-controladores da Sadia, as famílias Fontana e Furlan, não têm nenhum motivo do ponto de vista financeiro, para sustentar o parceiro. Além de não ter digerido a demissão de Faria, a Tarpon, assim como os demais acionistas, à frente Previ e Petros, viu seu patrimônio aplicado na BRF reduzir-se à metade do que representava em abril de 2013, quando a equipe de Secches foi defenestrada. Naquela época, as ações em poder da Tarpon valiam R$ 2,8 bilhões, caindo para R$ 1,4 bilhão no pregão do dia 5 de março. Idem para os cerca de 100 herdeiros do empresário catarinense Attilio Fontana, fundador da Sadia, cujo integrante mais conhecido é seu neto Luiz Fernando Furlan, que foi ministro do Desenvolvimento do primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva: sua fatia de 9% do capital da BRF vale atualmente R$ 1,8 bilhão, apenas 50% do registrado há cinco anos (o próprio Diniz, que no começo da empreitada aplicara R$ 1,6 bilhão, tem hoje menos de R$ 1 bilhão).

Por essas e por outras, enquanto a Tarpon emite sinais de descolar-se de Diniz, ou de pelo menos não dificultar o pleito da Previ e do Petros, a turma da Sadia já anunciou que vai votar favoravelmente à sua saída. Furlan, inclusive, é um dos três integrantes atuais que serão mantidos no Conselho.

Depois de alimentar tantas expectativas em relação ao futuro da BRF, aceitar passivamente o diagnóstico de Diniz e Cia. de que a empresa estava torta e precisava renovar-se, ser mais agressiva, enxugar custos, substituir a ênfase na produção em favor do marketing e acreditar na promessa de duplicação do valor de mercado em menos de cinco anos, os que embarcaram na canoa mudancista em 2013 têm muitos motivos para lamentarem-se.

Pão de Açúcar
Depois de cinco anos da gestão de Abilio Diniz, a BRF perdeu o equivalente a um Grupo Pão de Açúcar em valor de mercado (Crédito:Divulgação)

Para qualquer lado que se olhe, a BRF de hoje é muito menor do que era no início de 2013. Passados cinco anos, o valor de mercado, caiu de R$ 39,2 bilhões para os R$ 20 bilhões do início da semana, conforme levantamento da consultoria Economática. Perdeu nada menos do que um Grupo Pão de Açúcar inteiro, que vale atualmente o mesmo que a BRF. Sua ação, que era cotada a R$ 42 em 2013, despencou para R$ 24,7. Entre as promessas de Diniz, o que mais entusiasmou os investidores, foi a de fazer com que as ações chegassem a R$ 100 em cinco anos e, com isso, que o valor de mercado ultrapassasse os R$ 80 bilhões – o máximo a que chegou, em setembro de 2015, foi a R$ 60 bilhões.

No mesmo período, enquanto as ações da BRF mergulhavam em queda livre, o desempenho dos papéis da principal competidora, a enroladíssima JBS, que além de ter sido envolvida na Operação Carne Fraca, padece dos efeitos da Lava Jato, que levou seus controladores, os irmãos Joesley e Wesley Batista à prisão, exibe exuberantes 61,43% de crescimento de seus papéis (ver a reportagem E Agora, Abílio? Dinheiro 1509, de 02/03/2018).

Transformada numa máquina de destruir valor, a BRF perdeu fatias substanciais de mercado para a Seara, da JBS, que dobrou sua participação para 30% nesse período, turbinada pelo aporte e pela experiência de dezenas de executivos sumariamente dispensados pela gestão que aparentemente chega ao fim. Graças à perda de espaço de seus produtos nas gôndolas do varejo, o faturamento de R$ 33,4 bilhões em 2017 da BRF, é 16% inferior em termos reais, aos obtido em 2012, último ano da era Secches (na verdade, em nenhum dos cinco anos sob o comando de Diniz, a companhia superou aquela receita). E pior, principalmente para uma equipe que tinha na intimidade com as finanças um dos seus principais ativos: entre 2013 e 2017, o endividamento líquido mais do que dobrou, passando de R$ 6,6 bilhões para R$ 14,2 bilhões.

Resumo da ópera: inegavelmente, os últimos cinco anos foram para a BRF, uma espécie de “meia década perdida”, um período para ser esquecido e que não deixará saudades. Não por acaso, de acordo com o jornal Valor Econômico, alguns acionistas teriam sondado Secches e José Antonio Fay, o CEO que deixou a BRF logo após a entrada de Diniz, para compor o novo Conselho a ser eleito na última semana de abril. A dupla declinou do convite – o nome de Secches, inclusive, teria sido submetido ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que o veria com “bons olhos”, segundo o site Poder 360.

Provavelmente, a volta do antigo chairman seria a última coisa que Diniz estaria disposto a admitir. No entanto, certamente o nome indicado pela Previ e pelo Petros para substituí-lo, tem tudo para desgostá-lo. Trata-se de Augusto Marques da Cruz Filho, atual presidente do Conselho de Administração da BR Distribuidora, e um antigo subordinado nos tempos gloriosos do Pão de Açúcar. Primeiro presidente de fora do clã Diniz na direção executiva do GPA, Marques da Cruz, que ocupava a vice-presidência financeira e administrativa do grupo, permaneceu pouco tempo no posto, apenas dois anos, entre 2003 e 2005. “Infelizmente, não se saiu bem nos desafios”, afirmou Diniz, em seu livro “Novos caminhos, Novas escolhas”, referindo-se a Marques da Cruz. “A empresa andou de lado.” Por uma dessas ironias da história, ele deve ocupar agora a cadeira do ex-patrão, com a missão de corrigir os estragos de sua passagem pela BRF.

Empresário de méritos indiscutíveis, dono de uma das maiores fortunas do país, com realizações apreciáveis no mundo dos negócios, como a ressurreição do Pão de Açúcar que, praticamente falido nos anos 1980, transformou-se sob sua batuta no maior grupo supermercadista brasileiro, Diniz certamente deverá tirar inúmeras lições da passagem malsucedida pelo setor industrial, com a BRF. E, generosamente, deverá compartilhar essa experiência com seus alunos do curso Liderança 360º , que conduzirá no segundo semestre deste ano, na Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo.

Coordenado pelos professores Jaci Correia Leite e Patrícia da Cunha Tavares, sua contribuição para o curso, que tem entre seus objetivos “ampliar a consciência sobre os temas que impactam no crescimento profissional e desenvolvimento pessoal em um mundo em transformação”, é explicitada pelo próprio Diniz. “Acredito que, olhando para as experiências que eu passei na vida, olhando para as dificuldades, as barreiras, os acertos que eu tive e o que eu consegui desenvolver, vocês poderão aprender muito, o melhor caminho para liderar pessoas”, afirmou no vídeo promocional. Com uma carga horária de 60 horas-aulas, ministrado entre os dias 28 de agosto e 4 de dezembro, Liderança 360º custará a partir de R$ 7.500 à vista, ou parcelado em seis prestações.


Mais posts

Aposta na Inteligência Artificial

Em 2006, o carioca Danilo Carvalho, encerrou uma carreira de executivo no Banco do Brasil, onde ingressara três décadas antes, ainda [...]

Exportações de calçados crescem 9,3%, melhor resultado desde 2013

No período, foram embarcados 127,13 milhões de pares, que geraram uma receita de US$ 1,09 bilhão

Target derrota a ABNT no STJ

ABNT e Target travam uma batalha há quase uma década para definir os direitos de uso dos materiais técnicos produzidos pela empresa [...]

Stefanini volta a crescer e quer entrar no clube do bilhão de dólares em 2018

Depois de ver seu faturamento patinar na casa dos R$ 2,6 bilhões em 2015 e 2016, a Stefanini, uma das maiores empresas brasileiras da [...]

A força da cor nos negócios

Conheça a Feira Preta, o maior evento de empreendedorismo negro da América Latina
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.