Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Dois fundos institucionais americanos, um deles formado por uma associação de professores aposentados da Califórnia, estão pressionando a Apple, comandada por Tim Cook, para tomar medidas que ajudem os pais a limitar o uso de celulares por seus filhos. Os fundos, que juntos detêm US$ 2 bilhões em ações da companhia, afirmaram em uma carta aberta que o vício de crianças está se tornando uma “crise de saúde pública”. Em contrapartida, outros acionistas defendem os produtos da companhia. “Nós investimos em coisas que são viciantes”, disse, à Reuters, Ross Gerber, CEO da gestora de investimentos Gerber Kawasaki. Em comunicado, a Apple afirmou que está planejando novas ferramentas que permitam melhor controle pelos pais.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A aposta da Kodak nas moedas virtuais

A relação da Kodak com a tecnologia pode ser chamada de, no mínimo, esquizofrênica. Sua maior inovação nos últimos 30 anos, a câmera [...]

Métrica

1% foi quanto caiu o tempo de uso do Facebook em agosto e setembro de 2017, segundo estudo da Pivotal Research (Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)

Plano de voo suspenso

A GoPro, fabricante das câmeras digitais de ação Hero, anunciou que está deixando o mercado de drones, apesar do bom desempenho de [...]

Samsung marca data para Galaxy S9

A Samsung já tem data para lançar seu novo smartphone topo de linha, o Galaxy S9. Durante a CES (Consumer Electronics Show) 2018, Dj [...]

Intel “inside(r)”?

A fabricante de microprocessadores Intel fez fama com seu slogan “Intel inside”, em uma referência aos chips que equipavam os [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.