Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Dois fundos institucionais americanos, um deles formado por uma associação de professores aposentados da Califórnia, estão pressionando a Apple, comandada por Tim Cook, para tomar medidas que ajudem os pais a limitar o uso de celulares por seus filhos. Os fundos, que juntos detêm US$ 2 bilhões em ações da companhia, afirmaram em uma carta aberta que o vício de crianças está se tornando uma “crise de saúde pública”. Em contrapartida, outros acionistas defendem os produtos da companhia. “Nós investimos em coisas que são viciantes”, disse, à Reuters, Ross Gerber, CEO da gestora de investimentos Gerber Kawasaki. Em comunicado, a Apple afirmou que está planejando novas ferramentas que permitam melhor controle pelos pais.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A Amazon quer jogar

A companhia de Jeff Bezos está de olho no mercado de streaming. E isso não significa apenas investir no Prime, o seu serviço de [...]

Ovo popular

A internet é uma caixinha de surpresas. E de bizarrices. A prova mais recente disso foi dada no Instagram. Publicada no dia 4 de [...]

Carga perigosa

Os Correios vão adotar um processo mais rigoroso para o envio de itens eletrônicos por encomendas. A estatal brasileira vai passar a [...]

Era uma casa…

Quarta maior fabricante de smartphones do planeta, a Xiaomi quer ir além das telinhas. Na sexta-feira 11, a gigante chinesa informou [...]

11 milhões

É o número de baterias de iPhones que foram substituídas pela Apple em 2018. Em 2017, foram menos de 2 milhões de componentes trocados (Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.