Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Smartphone vicia as crianças? Investidores da Apple acham que sim

Dois fundos institucionais americanos, um deles formado por uma associação de professores aposentados da Califórnia, estão pressionando a Apple, comandada por Tim Cook, para tomar medidas que ajudem os pais a limitar o uso de celulares por seus filhos. Os fundos, que juntos detêm US$ 2 bilhões em ações da companhia, afirmaram em uma carta aberta que o vício de crianças está se tornando uma “crise de saúde pública”. Em contrapartida, outros acionistas defendem os produtos da companhia. “Nós investimos em coisas que são viciantes”, disse, à Reuters, Ross Gerber, CEO da gestora de investimentos Gerber Kawasaki. Em comunicado, a Apple afirmou que está planejando novas ferramentas que permitam melhor controle pelos pais.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Velhos problemas na Uber

A Uber não consegue se livrar da imagem de empresa sexista. Segundo a agência de notícias Reuters, a companhia está na mira de uma [...]

Espionagem russa?

Depois do escândalo envolvendo a consultoria britânica Cambridge Analytica, que usou dados de 78 milhões de usuários do Facebook para [...]

Tela morna

(Nota publicada na Edição 1079 da Revista Dinheiro)

Maçã encalhada

A Apple ainda não emplacou as vendas de seu principal produto, o iPhone X. De acordo com o site americano Digitimes, o smartphone, que [...]

A campanha do bilhão

Aos 20 anos e famosa após estrelar o reality show Keeping Up With The Kardashians, a americana Kylie Jenner está perto de se tornar a [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.