Tecnologia

Sindicato dos trabalhadores do Google publica carta polêmica com críticas à companhia

Crédito: Divulgação/Alphabet Workers Union

Alphabet Workers Union é um grupo de mais de 200 trabalhadores dos Estados Unidos que acreditam que a estrutura do Google precisa de mudanças (Crédito: Divulgação/Alphabet Workers Union )

Nesta terça-feira (5), o The New York Times publicou em sua edição impressa uma carta de um sindicato dos trabalhadores do Google. O documento afirma que os comandantes da companhia de tecnologia estão fazendo tudo pelo lucro sem se importar com os trabalhadores menos remunerados. “Alguns executivos ricos definem o que a empresa produz e como seus trabalhadores são tratados. Esta não é a empresa para a qual queremos trabalhar”, diz um trecho da publicação.

A carta remete a duas engenheiras de software, presidente e vice-presidente do “Alphabet Workers Union“, Parul Koul e Chewy Shaw, respectivamente. Elas comandam a entidade com mais de 200 trabalhadores dos Estados Unidos, que atuam na Big Tech, que acreditam que a estrutura do Google precisa de mudanças.

+ Funcionários da Google e outras unidades da Alphabet formam sindicato

Trabalhadores temporários

De acordo com a carta, cerca de metade dos trabalhadores do Google são temporários. Eles recebem salários mais baixos e tem menos benefícios em comparação com os empregados de tempo integral, embora façam exatamente o mesmo trabalho.

“Eles também têm maior probabilidade de ser pretos ou pardos – um sistema de emprego segregado que mantém metade da força de trabalho da empresa em funções de segunda classe. Nosso sindicato buscará desfazer essa grave desigualdade”, diz o artigo, publicado pelo The New York Times.

Apoio a governos repressivos

Em outro trecho da carta, as líderes afirmam que a Alphabet (dona do Google) apoiou governos repressivos. “Nossos chefes têm colaborado com governos repressivos em todo o mundo. Eles desenvolveram uma tecnologia de inteligência artificial para uso pelo Departamento de Defesa e lucraram com anúncios de um grupo de ódio.”

Preconceito

Outra parte do artigo aborda o racismo. “Mais recentemente, Timnit Gebru, uma das principais investigadoras de inteligência artificial e uma das poucas mulheres negras na sua área, disse que foi despedida por seu trabalho de combate ao preconceito”, informa o artigo, publicado pelo The New York Times. Ela conduzia uma investigação que era crítica aos modelos de Inteligência Artificial (I.A.) em grande escala e realizava esforços para inclusão.

Propósito

A carta termina abordando o propósito do sindicato: “Nosso sindicato trabalhará para garantir que os trabalhadores saibam no que estão trabalhando e possam fazer seu trabalho por um salário justo, sem medo de abuso, retaliação ou discriminação”. “Nosso sindicato estará aberto a todos os trabalhadores da Alphabet, independentemente da classificação”, informa a carta publicada pelo jornal dos EUA.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel