Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Sinal verde

Sinal verde

A briga entre a Simba, joint-venture criada pelas emissoras de televisão SBT, Record e RedeTV, e as operadoras de TV paga está próxima do fim. Mas os dois lados sairão arranhados.

Depois que a Simba resolveu bater o pé e cortar os sinais para as operadoras de TV Paga, nos estados de São Paulo e Brasília, porque os canais não eram remunerados a exemplo de Globo e Bandeirantes, a audiência das emissoras despencou cerca de 30%. Resultado: o poder de barganha da empresa, que pedia o pagamento pelo uso de seus canais, caiu ladeira abaixo.

Executivos próximos da negociação dizem que, na próxima semana, um armistício deve ser selado. O valor por assinante, entretanto, está longe – bem longe – dos R$ 15 pleiteados inicialmente.

(Nota publicada na Edição 1015 da revista Dinheiro)

Tópicos

Record RedeTV SBT Simba

Mais posts

Bolsonaro come pelas beiradas

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que assinou um termo de compromisso com o nanico Partido Social Liberal (PSL) para se [...]

Frase da semana

“Não estávamos preparados” Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, sobre a falha no planejamento da segurança durante o [...]

O trunfo da Movida

Discretamente, a Movida, segunda maior empresa de locação de veículos do Brasil com uma frota de 75 mil carros, começa a testar um [...]

Conexão Brasil-Portugal

Um dos consultores mais procurados no universo do luxo brasileiro tem pegado carona na evolução do mercado português. “Há dez anos, [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1057 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Gabriel Baldocchi)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.