Edição nº 1118 26.04 Ver ediçõs anteriores

Sinais de otimismo

Sinais de otimismo

Saiu o primeiro sopro de alívio e otimismo no ambiente produtivo do País. O índice que mede a confiança empresarial, calculado pela Fundação Getulio Vargas, acaba de registrar um avanço de 0,9 ponto entre os meses de junho e julho, alcançando, em uma escala de zero a duzentos pontos, o patamar de 91,6. É algo alvissareiro. A mera revisão de expectativas, que voltavam a apontar para baixo devido aos seguidos desarranjos da economia provocados pelo Congresso, demonstra a aposta em um futuro mais promissor. O índice é construído na base de entrevistas com empresários de quatro grandes setores (indústria, serviços, comércio e construção) e, dentre eles, o que mais contribuiu para a melhora foi o da turma da construção.

Talvez movido, em parte, pelas medidas de incentivo a atividade. E mais uma veio, na semana passada, quando o Governo ampliou o teto de uso do FGTS nos financiamentos para imóveis até o valor de R$ 1,5 milhão. Não há dúvida de que o principal fator a provocar a reversão no ânimo geral está no campo da política. Com a proximidade das eleições, contou favoravelmente o entendimento entre partidos do centro para lançar a candidatura única de Geraldo Alckmin, tido e havido pelo mercado como a melhor opção dentre as colocadas. Os empresários, naturalmente, temem a instabilidade de regras e a revisão de pilares fundamentais da retomada como o da reforma trabalhista já aprovada.

Acham que, a julgar pelos discursos, os maiores adversários de Alckmin, com chances de chegar ao segundo turno, podem promover retrocessos, especialmente em áreas vitais, da privatização aos investimentos em infraestrutura. Sabem que um ajuste fiscal consistente, estimado por especialistas em ao menos quatro pontos do PIB, ou algo da ordem de R$ 300 bilhões, será inevitável e depositam no tucano as apostas de que somente ele será capaz de fazê-lo. Após a rearrumação do tabuleiro político, com a ascensão de uma candidatura de centro, até economistas começam a projetar alguma retomada, por menor que seja.

Acreditam que as atividades produtiva e de consumo podem reunir em poucos meses as condições de engrenar o crescimento. Bastaria disposição para tanto. Já existe até um bolão de qual será o patamar atingido pelo PIB até o final deste ano. Muitos avaliam que a desilusão recente, com as decisões atabalhoadas em vários assuntos, justificou a revisão para baixo do número, registrado tanto pelo FMI e como pelo próprio Banco Central. Mas tratam de enxergar saídas rápidas em se confirmando no horizonte eleitoral, entre outubro e novembro, uma alternativa de comando que zele pela estabilidade. Com essa variável será definido se o Brasil terá em 2019 um novo ano perdido ou o início de uma fase de avanços consistentes.

(Nota publicada na Edição 1081 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O alento das privatizações

Se existe uma área que soube exibir resultados concretos e eloquentes no governo foi a da secretaria especial de Desestatização [...]

Bateu a frustração

Não acontecia algo parecido desde 2016. É a primeira vez, de lá para cá, que a economia brasileira pode cravar um desempenho tão [...]

A incrível sina da indústria que encolheu

Onde foi parar a indústria brasileira? Reflexo de uma débâcle assombrosa, a atividade acaba de registrar um revés de proporções [...]

O desastre na política externa

Não são poucos, nem baratos, os erros que vêm sendo cometidos pelo Governo, rotineiramente, na área de comércio exterior – frutos de [...]

Governar e tuitar na era Bolsonaro

Ao menos dois empresários do time dos gigantes – e não necessariamente opositores do Governo, ao contrário – pediram abertamente ao [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.