Siemens não perde a esperança

Crédito: Caio Cestari

De crises, economia bagunçada e política que se assemelha a um espetáculo tragicômico os italianos entendem bem. Pode ser por isso que o romano Daniel Scuzzarello, CEO da Siemens Digital Industries Software para a América Latina, está confiante de que as coisas vão começar a melhorar no Brasil.

À frente da divisão de softwares industriais da companhia alemã que faturou € 57 bilhões em 2020 (ano fiscal encerrado em outubro), ele garante que a companhia está pronta para enfrentar os desafios das empresas brasileiras na transformação digital e aumento da produtividade.



A chamada indústria 4.0 é, segundo ele, o único caminho para que as empresas – de qualquer porte e ramo de atividade – possam sobreviver daqui para frente. “Muitas empresas aumentaram seus investimentos porque a digitalização encurta o tempo de qualquer lançamento e nova tecnologia”, disse o executivo. Agora, certo de que a economia vai voltar a crescer, Scuzzarello afirma que a Siemens está pronta para a retomada. “Quando a pandemia chegou forte no País, nossa prioridade foi a de não deixar ninguém para trás, seja em não demitir ninguém quanto na agilidade em fornecer soluções para os clientes se adaptarem à nova realidade”, afirmou.

Uma das grandes apostas foi a parceria firmada com a empresa brasileira TrueChange para expandir sua presença em low-code no País. Em outras palavras, a intenção da Siemens é permitir aos seus clientes o desenvolvimento de ferramentas para acelerar a digitalização.

(Nota publicada na edição 1205 da Revista Dinheiro)

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia





Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.