Edição nº 1125 14.06 Ver ediçõs anteriores

Show do bilhão

Show do bilhão

Fundador e CEO do Grupo Life Brasil, empresa especializada em seguros de vida, Alberto Júnior acaba de atingir uma cifra histórica: R$ 8 bilhões em gestão de recursos de terceiros. O número foi alcançado graças à carteira de 500 mil clientes acumulada em cinco anos, atuando em três frentes: planejamento, blindagem de patrimônio e sucessão familiar. Uma curiosidade é que Alberto começou a carreira vendendo seguro para carcereiros. “Ninguém gostava de vender num lugar desses, mas eu ia lá dentro, conseguia abertura e oferecia”, disse. “Quem deve contratar um seguro de vida? Quem está vivo.”

(Nota publicada na Edição 1114 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luana Meneghetti e Moacir Drska)


Mais posts

Supermercado sem sair do sofá

Como fazer compras nos supermercados é um martírio para uma grande parcela da população, os jovens empresários Bruna Vaz Negrão, de 25 [...]

Para colocar o Nordeste na mídia

A G3, empresa de mídia outdoor e indoor, busca a expansão pelo Nordeste. Fundada por Claudio Monteiro em Jaboatão dos Guararapes, na [...]

O ar frio da Nasa

De olho no setor de ar condicionado, que movimenta R$ 4,5 bilhões ao ano, a americana Aerus, sob comando de Joe Urso (à esq.) e a [...]

“A saúde no Brasil, do jeito que está hoje, é insustentável”

O colombiano Juan Carlos Gaona, presidente da Abbott no Brasil, lidera uma das mais importantes operações do laboratório o mundo. Com [...]

A batalha nos apps

A onda de ataques cibernéticos e invasões hackers vem promovendo uma grande batalha dentro do universo digital, incluindo a de publicidade móvel. Dados do relatório divulgado pela Business Insider mostram que no último ano, esse tipo de crime aumentou 800% em todo o mundo, em comparação com o ano anterior. Com o objetivo de intensificar […]

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.